Plano Indicativo de Oleodutos (PIO)

​A deficiência de infraestrutura logística limita o abastecimento de combustíveis de um país, podendo resultar em aumento de custos na cadeia produtiva e na perda de competitividade de outros setores da economia. Uma visão estratégica para os setores de infraestrutura é determinante para a garantia de continuidade do crescimento econômico nacional.  

Nesse sentido, os estudos desenvolvidos no âmbito do Plano Indicativo de Oleodutos (PIO) – ciclo 2021/2022 buscam o aperfeiçoamento da análise dos fluxos logísticos de abastecimento de derivados de petróleo, através do estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental de projetos de oleodutos de transporte e sistemas associados com vista ao atendimento às demandas nacionais existentes.  

As perspectivas são de que a elaboração do PIO se constitua em um processo sistemático e periódico de suporte à expansão do transporte dutoviário nacional e do planejamento energético brasileiro. A ampliação do acesso à informação sobre potencialidades de empreendimentos neste segmento, incluindo as avaliações de condicionantes socioambientais e propostas de traçados, base do Plano Indicativo de Oleodutos, auxilia na promoção de investimentos em dutos de transporte de combustíveis no Brasil, na potencial redução dos custos de movimentação de produtos e estímulo à competitividade no mercado nacional. 

Plano Indicativo de Oleodutos – Análise Socioambiental aplicada ao ciclo 2021/2022

A Nota Técnica apresenta a análise socioambiental dos empreendimentos incluídos no ciclo 2021/2022 do Plano Indicativo de Oleodutos (PIO).

Plano Indicativo de Oleodutos –Metodologia aplicada ao ciclo 2021/2022 e o Caderno “Caracterização Geral do Projeto”

EPE publica a Nota Técnica sobre a Metodologia aplicada ao ciclo 2021/2022, representando parte dos estudos desenvolvidos no âmbito do Plano Indicativo de Oleodutos, a ser publicado em 2022.