EPE Publica a Resenha da Abril do Mercado de Energia Elétrica – Mês base Março

O consumo nacional de eletricidade foi de 43.447 GWh em março de 2021, elevação de 6,0% em relação a março de 2020. Foi a maior taxa de consumo desde março de 2014 e o maior valor de consumo total registrado desde o início da série histórica da EPE, em 2004. Enquanto que, o consumo acumulado em 12 meses totalizou 478.339 GWh, retração de 0,5% comparada ao período de 12 meses anterior.

Todas as regiões geográficas do Brasil apresentaram alta no consumo de energia elétrica em março desse ano: Sudeste (+8,4%), Nordeste (+4,6%), Sul (+3,9%), Norte (+3,3%) e Centro-Oeste (+1,5%).

A classe industrial (+11,3%) apresentou a maior taxa de crescimento do consumo desde agosto de 2010 e registrou o maior consumo (15.685 GWh) desde dezembro de 2013. A classe tem apresentado taxas positivas desde agosto de 2020. O Sudeste (+12,1%) impulsionou a expansão do consumo industrial, adicionando 914 GWh neste mês, em relação a março de 2020. Já a região Norte (+13,1%) foi a que apresentou a maior taxa de crescimento. Demais regiões também elevaram seus consumos. Nos ramos da indústria, observa-se expansão do consumo disseminada entre todos os dez segmentos mais eletrointensivos. Conforme ocorre desde setembro do ano passado, metalurgia (+517 GWh; +15,8%) e produtos minerais não metálicos (+182 GWh; +18,2%) lideraram a classe. O bom desempenho em produtos minerais não metálicos está em linha com o aumento de 34,6% nas vendas de cimento em março, em comparação com igual período do ano anterior. Segundo o SNIC, os principais indutores do desempenho continuam sendo as condições climáticas favoráveis, a manutenção das obras imobiliárias e a autoconstrução, que ainda desempenha um papel relevante nas vendas de cimento. A expansão do consumo em metalurgia foi dividida entre metais não-ferrosos, em especial alumínio primário, e siderurgia. Segundo o Instituto Aço Brasil, em março de 2021 as vendas internas avançaram 41,9% em relação ao mesmo mês do ano passado, atingindo 2,1 milhões de toneladas, o melhor desempenho desde outubro de 2013. O Instituto Aço Brasil registra que a indústria brasileira do aço vem de forma recorrente aumentando suas vendas ao mercado interno, com volumes superiores ao período pré-pandêmico, atribuindo esta demanda a retomada dos setores consumidores e a formação de estoques defensivos à volatilidade do mercado ocasionado pelo aumento nos preços das commodities. 

A classe residencial (+6,1%) registrou alta no consumo de energia elétrica em março. Todas as regiões tiveram aumento de consumo na classe, com destaque para as regiões Sudeste (+7,0%) e Sul (+7,2%). Temperaturas acima da média e clima mais seco em parte do território nacional contribuíram para o desempenho da classe no mês. No Sudeste, os estados do Rio de Janeiro (+9,5%) e São Paulo (+7,4%) foram os maiores destaques da região. Já, na região Sul, os estados de Santa Catarina (+14,2%) e Paraná (7,8%) puxaram a alta da classe no mês. A região Norte (+1,2%) continua sob a influência das chuvas acima do normal nos estados do Amazonas (-16,5%) e Acre (-0,1%).

A classe comercial (+1,4%) mostrou o primeiro resultado positivo na taxa de variação do consumo, depois da queda apresentada durante todo o ano de 2020. A região Sudeste (+6,9%) foi a única que anotou elevação no consumo no mês de março, que foi somente puxado pelo estado São Paulo (+14,0%). A temperatura mais elevada e a falta de chuvas em São Paulo contribuíram para o aumento substancial do consumo de energia elétrica no setor no estado. Apesar das outras regiões Norte (-9,5%), Centro-Oeste (-6,0%), Nordeste (-5,0%) e Sul (-2,1%) apresentarem retração no consumo da classe, a queda foi mais branda do que a registrada em fevereiro desse ano. No Sul, o destaque foi a expansão do consumo em Santa Catarina (+11,7%). Porém, expurgado o efeito do ciclo maior de faturamento, o aumento verificado no mês seria em torno de 6,8%.

Referente às modalidades de contratação de energia, tanto o mercado livre (+14,1%), quanto o consumo cativo das distribuidoras de energia elétrica (+1,8%), apresentaram expansão em março de 2021 em comparação com igual período no ano anterior. Ambas as modalidades registraram bons resultados, enquanto o mercado cativo anotou a primeira taxa positiva desde novembro do ano passado, o mercado livre registrou a maior taxa de expansão desde abril de 2018.

Clique nos links para acessar a Resenha Mensal e o Podcast com a Analista de Pesquisa Energética Lena Santini Souza Menezes Loureiro.​


Notícias Relacionadas

Relatório do Estudo de Suprimento às Regiões de Açailândia, Buriticupu, Vitorino Freire e Dom Eliseu

19/10/2021 - O Relatório R1 EPE-DEE-RE-022/2021-rev0 recomenda um conjunto de reforços estruturais para atendimento às regiões de Açailândia, Buriticupu e Vitorino Freire, no estado do Maranhão e Dom Eliseu no estado do Pará. O suprimento elétrico dessas regiões é realizado atualmente por sistemas com características radiais, com elevada extensão e que se originam das subestações de fronteira de Imperatriz, Miranda II, Marabá e Peritoró.

Presidente da EPE participa do ENASE 2021

15/10/2021 - O presidente da EPE, Thiago Barral, participou da 18ª edição do ENASE 2021 – Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico. Este ano, o tema foi “O Setor Elétrico Brasileiro e a Transição Energética: Desafios e Oportunidades”. Em formato virtual, o evento trouxe a oportunidade de falar sobre o contexto de escassez hídrica e o futuro das hidrelétricas, o papel das fontes renováveis e das termelétricas, os custos para o consumidor e a reforma e abertura do mercado.

Webinar - Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil: Avançando com eficiência

15/10/2021 - A Agência Internacional de Energia (IEA), o Ministério de Minas e Energia (MME) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) convidam para o webinar: Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil: Avançando com eficiência O webinar será realizado em inglês na quinta 28 de Outubro das 10:00-11:15 (Brasília, UCT-3) / 15:00-16:15 (Paris, UTC+2) via Zoom da sede da IEA em Paris, França.

EPE publica Projeções dos Preços dos Combustíveis Líquidos para Atendimento aos Sistemas Isolados e Usinas da Região Sul em 2022.

14/10/2021 - A EPE elaborou Nota Técnica com os cálculos e as premissas que embasaram as projeções, para o ano de 2022, dos preços dos combustíveis líquidos usados na geração de energia elétrica em Sistemas Isolados e usinas da Região Sul, a fim de dar suporte à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nas estimativas de previsão orçamentária da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC).

Caso Base do Procedimento Competitivo Simplificado de 2021 - Cálculo das Garantias Físicas

08/10/2021 - A Empresa de Pesquisa Energética – EPE disponibiliza, na área de leilões de energia, o caso base com os arquivos de dados para o modelo NEWAVE, utilizados no cálculo das Garantias Físicas de Energia dos empreendimentos com previsão de despacho centralizado, para participação no Procedimento Competitivo Simplificado de 2021.