Planejamento Estratégico da EPE (ciclo 2024-2028)

Plano Estratégico ciclo 2024-2028

Planejamento Estratégico (ciclo 2024-2028) 

O Plano Estratégico de Longo Prazo (PLP), trata da identidade institucional (negócio, missão, visão, propósito e valores organizacionais), dos objetivos e indicadores estratégicos, assim como das suas respectivas metas para cinco anos seguintes a sua aprovação.

O ano de 2023, no qual a EPE completou 19 anos de existência, representa mais uma execução de um ciclo PDCA (planejar, desenvolver, checar/aprender, agir/melhorar) do seu Planejamento Estratégico, mantendo o alinhamento com as determinações e regramentos estabelecidos pela Lei das Estatais e permitindo à empresa:

1.      Consolidar e formalizar os principais instrumentos de Planejamento da empresa (o Plano de Longo Prazo - PLP e Plano de Negócios Anual - PNA);

2.      Estruturar seu Mapa estratégico como representação de sua identidade empresarial;

3.      Revisar sua matriz de Riscos estratégicos; e

4.      Realizar um processo de monitoramento da execução física das ações estratégicas e associação destas aos objetivos estratégicos do Mapa, que ocorre por meio de um sistema integrado chamado Enterprise Manager.

 

Diante de desafios externos e internos, a EPE atualizou seus principais produtos de Planejamento Estratégico (PLP e PNA) em novembro de 2023, em conformidade à Lei nº 13.303/2016, mas sem mudanças estruturais no curto prazo. Entretanto, os aprendizados da finalização deste ciclo de Planejamento Estratégico apontam para a necessidade de evolução contínua do modelo de gestão estratégica da empresa, que inclui o Planejamento Estratégico, o que será alvo em 2024 de um processo de ampla reestruturação visando um novo ciclo de planejamento estratégico.

A atualização do PLP 2024-2028 em 2023, portanto, mantém e reforça alguns elementos consolidados no último ciclo, como o Mapa estratégico da empresa incorporando pequenas alterações na Matriz de Riscos Estratégicos. Destaca-se que a Pesquisa de Satisfação do Ministério de Minas e Energia (MME) em relação ao assessoramento da EPE será finalizada em meados do 1º quadrimestre de 2024.

A seguir listamos os principais atributos que definem a identidade empresarial da EPE para o ciclo 2024-2028: 

Negócio. Realização de estudos e pesquisas para subsidiar a formulação, implementação e avaliação da Política e do Planejamento Energético Brasileiro.

Missão. Realizar estudos e pesquisas de alta qualidade visando subsidiar o Planejamento, o Desenvolvimento e a Política Energética Nacional.

Visão. Ser uma organização proativa, inovadora e reconhecida por sua excelência técnica em estudos e pesquisas no Setor Energético.

Propósito. O futuro da energia começa na EPE.

Valores Organizacionais. Constituem-se como os norteadores das ações dos empregados e dirigentes da empresa:

  • Comprometimento. Alinhamo-nos à missão, visão e objetivos institucionais da Empresa, superando obstáculos e encarando os desafios como força motivadora para atingir o resultado efetivo para a sociedade brasileira.

  • Diálogo. Buscamos a prática do diálogo franco, respeitoso e profissional, num ambiente de convivência e estímulo a diferentes perspectivas, respeitando a opinião alheia e o direito democrático de expressão das pessoas e entidades que se relacionam com a instituição, como instrumento para a integração, inovação e relevância do nosso trabalho.

  • Ética. Em nossas ações, compromissos e relações em geral, consideramos essenciais a transparência, a impessoalidade, a integridade, a isonomia e a não discriminação como fundamentos para uma atuação visando um planejamento energético de excelência.

  • Inovação. Estamos permanentemente em busca de novas formas, práticas e atitudes que geram valor para a sociedade e que estejam alinhadas às transformações tecnológicas no setor energético e à gestão pública e corporativa.

  • Respeito ao Ser Humano. Em nossas atitudes valorizamos e respeitamos a dignidade, as necessidades e os direitos individuais e a diversidade, pois entendemos a pluralidade e a cidadania como chaves para uma rica troca de experiências entre os colaboradores e sociedade.

O Mapa Estratégico da EPE, definido para o ciclo 2024-2028, traduz não apenas a identidade empresarial, mas também os onze objetivos estratégicos a serem perseguidos pela organização neste período, organizados, dentro da lógica do Balanced Scorecard sob três perspectivas: Apoio a Gestão (AG), Processos Finalísticos (PF) e Sociedade (S).

figura1.jpg

Figura 1. Mapa Estratégico da EPE (ciclo 2024-2028)

Assim, apresenta-se a proposta de Plano Estratégico de Longo Prazo (PLP) 2024-2028, mantendo as diretrizes daquela apresentada em 2022, ou seja, a identidade institucional (negócio, missão, visão, propósito e valores organizacionais), assim como os objetivos estratégicos definidos no Planejamento de Longo Prazo (PLP) 2023-2027.

De acordo com a proposta, o Conselho de Administração acompanhará a evolução da implementação anual do Plano Estratégico de Longo Prazo (PLP) 2024-2028 em suas reuniões de março de cada ano, por meio da evolução do Índice de Satisfação e Imagem do Ministério de Minas e Energia (MME), onde identificará a satisfação do principal stakeholder da EPE com os produtos elaborados e serviços prestados pela organização.

 

Plano de Negócios Anual 2024

Apresentação Síntese - PLP+PNA 2024 -Dez 2023 

Síntese - PNA 2024 - Dez 2023 

 

O Plano de Negócios Anual (PNA), é um instrumento de Gestão Estratégica do Conselho de Administração que orienta as ações da Diretoria Executiva no exercício anual seguinte e apresenta o conjunto dos recursos orçamentários, humanos, logísticos e de tecnologia de informações e comunicações que viabilizarão as ações planejadas, bem como os riscos associados à sua realização, em conformidade com o que determina o inciso I do parágrafo 1º do art. 23 da Lei nº 13.303/2016. 

O Plano Estratégico de Longo Prazo 2024-2028 e o Plano de Negócios Anual 2024 foram aprovados pelo Conselho de Administração na reunião ordinária de novembro de 2023, por meio da Deliberação do Conselho de Administração (DCA) nº 03/250ª, de 24 de novembro de 2023.

É no PNA que o Conselho de Administração dá a instrução à Diretoria Executiva para elaborar os planos táticos do exercício anual seguinte, assim como define os indicadores, as metas e a periodicidade de monitoramento, com vistas à supervisão da eficiência das ações estratégicas da empresa para o atingimento dos objetivos estratégicos e alcance da visão institucional definidas nos médio e longo prazos, no âmbito do Plano Estratégico de Longo Prazo (PLP).

A Diretoria Executiva, na proposição do PNA 2024, estruturou os seguintes planos táticos:

  • Portfólio de Ações Recorrentes para Planejamento Energético (ARP);

  • Portfólio de Ações de Suporte e Assessoramento à Política Pública (ASP);

  • Portfólio de Ações Transformadoras (ATF);

  • Portfólio de Ações de Tratamento de Riscos Estratégicos (ATR); e

  • Portfólio de Ações de Comunicação e Participação Social (ACP)

Enquanto os planos estratégicos são revistos anualmente pelo Conselho de Administração, os planos táticos podem ser revisados pela Diretoria Executiva a qualquer momento e as mudanças devem ser consolidadas nos balanços quadrimestrais, previstos para serem fechados em abril, agosto e dezembro de cada ano. Este arranjo estratégico visa conferir flexibilidade para que a administração da empresa possa responder com agilidade sobretudo às demandas do Ministério de Minas e Energia (MME), ditadas pela agenda da política pública.

O monitoramento e controle das ações do Plano de Negócios Anual têm tornado possível a avaliação de quaisquer atrasos e postergações de processos, projetos e programas estratégicos para além do horizonte 2024, aferindo o impacto não só na ação, mas também no alcance do(s) objetivo(s) estratégico(s) a que eles estejam vinculados. Com base nessa perspectiva, tem sido possível, nessas janelas dos balanços quadrimestrais, repriorizar ações, programas, processos e projetos estratégicos para ampliar o impacto nos objetivos e indicadores estratégicos e, em última instância, ao cliente da EPE e à sociedade em geral.

O Comitê Executivo de Gestão Estratégica – CGE-X, realiza reuniões periódicas com vistas ao monitoramento e acompanhamento das ações estratégicas que compõem o PNA, buscando continuamente por aprimoramentos ao plano, assim como ajustes e mudanças que se façam necessárias, com o objetivo de garantir a efetividade das ações, a assertividade das metas estabelecidas e a execução da estratégia da empresa, dentro de uma perspectiva de longo prazo, consubstanciada no Plano Estratégico de Longo Prazo – PLP 2024-2028.

figura12.png

Figura 1. Plano de Negócios Anual 2024 – Ações Estratégicas

figura2.png

Figura 2. Plano de Negócios Anual 2024 – Ações Recorrentes para o Planejamento Energético

figura3.png

Figura 3. Plano de Negócios Anual 2023 – Ações de Suporte e Assessoramento à Política Pública

figura4.png

Figura 4. Plano de Negócios Anual 2023 – Ações Transformadoras

figura5.png

Figura 5. Plano de Negócios Anual 2023 – Ações de Tratamento de Riscos Estratégicos

figura6.png

Figura 6. Plano de Negócios Anual 2023 – Ações de Comunicação e Participação Social

Vale destacar que esta lista de produtos e serviços não é exaustiva e pode ainda variar ao longo de 2024 em função, principalmente, da agenda da Política Pública. Além disso, é importante ressaltar que, uma vez que os recursos orçamentários e humanos da empresa são finitos, novas prioridades podem comprometer a execução das ações previstas.

Ressalta-se que os programas, projetos e operações contidas no PNA 2024 impactarão mais ou menos os resultados da empresa, dependendo da complexidade, alcance, escopo, cronograma, riscos associados etc., mas todos eles devem estar assertivamente conectados à estratégia estabelecida. Além disso, cabe destacar que, tendo em vista a natureza dos trabalhos desenvolvidos pela EPE, o impacto de grande parte dos estudos e pesquisas não será imediato às suas entregas. 

Por fim, importante destacar que o PNA 2024  apresenta não apenas a carteira de projetos e programas estratégicos para o exercício de 2024, mas também uma breve análise dos riscos estratégicos associados à sua execução, uma vez que se entende que, caso as ações previstas no PNA 2024 não sejam realizadas, corre-se o risco de se comprometer a Estratégia de Longo Prazo definida no âmbito do PLP 2024-2028, o que, além de impactar no atingimento das metas e resultados organizacionais, pode reduzir o valor da marca e afetar a credibilidade, a perenidade e a continuidade dos negócios.

O Conselho de Administração acompanhará a implementação do PNA 2024 por meio de indicadores quantitativos medidos quadrimestralmente, a partir dos resultados da evolução do escopo e cronograma das ações estratégicas que fazem parte dos planos táticos a ele vinculados.