Resenha Mensal: o consumo nacional de energia elétrica, em setembro de 2022, ficou estável (+0,2%) em comparação com mesmo mês de 2021.

O consumo nacional de energia elétrica foi de 42.040 GWh, em setembro de 2022, estável (+0,2%) em comparação com mesmo mês de 2021.  Indústria (+1,8%) e comércio (+1,6%) registram expansão no consumo de eletricidade na comparação interanual, enquanto o consumo das residências e outros consumos retraíram no mesmo período. No acumulado em 12 meses o consumo nacional registrou 507.355 GWh, alta de 1,1% em comparação ao período imediatamente anterior.

A classe Industrial consumiu 15.884 GWh em setembro de 2022, expansão de 1,8% em relação a setembro de 2021. Excetuando-se o Sudeste (-1,3%), impactado pela retração no consumo de eletricidade na siderurgia, todas as demais regiões geográficas do País elevaram seu consumo. O Nordeste (+10,7%) continua se destacando, alavancado pela cadeia do alumínio primário no Maranhão, estado que registrou a maior alta (+93,2%) no consumo. As regiões Norte (+6,5%), Centro-Oeste (+5,0%) e Sul (+1,5%) também expandiram. A elevação no consumo de eletricidade em setembro na indústria foi disseminada entre seus principais segmentos, com oito dos dez ramos mais eletrointensivos com alta na comparação interanual. Extração de minerais metálicos (+88 GWh; +8,7%) liderou o crescimento, com a maior parte da expansão associada a aceleração da retomada da atividade em Minas Gerais, somado ao efeito de base baixa de setembro de 2021, pela parada de manutenção de uma grande unidade no Pará naquele mês. Metalurgia (+87 GWh; +6,0%) aparece logo em seguida, com forte alta no consumo de eletricidade na cadeia do alumínio primário, puxada pela retomada da produção no final de abril em uma grande unidade no Maranhão, principalmente. Por outro lado, a queda na produção siderúrgica atenuou a alta em metalurgia. Também se destacaram a fabricação de produtos alimentícios (+70 GWh; +3,6%), papel e celulose (+57 GWh; +8,0%) e produtos químicos (+55 GWh; +3,6%). Já fabricação de produtos minerais não-metálicos (-6 GWh; -0,5%) e produtos têxteis (-28 GWh; -4,7%) foram os únicos, entre os mais eletrointensivos, com retração no consumo de eletricidade.

O consumo de energia elétrica da classe comercial subiu 1,6% em setembro, em comparação a setembro de 2022, chegando a 7.393 GWh. Apesar do crescimento do consumo, foi a menor taxa desde março de 2021. O desempenho positivo do setor de serviços do País continua puxando a alta do consumo de eletricidade da classe. De acordo com os últimos dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS/IBGE), o setor de serviços variou 8,0% em agosto desse ano, em relação ao mesmo mês de 2021. O setor de transportes, serviços prestados às famílias, profissionais, administrativos e complementares e informação e comunicação podem ter impactado de forma mais relevante o crescimento do consumo. Já, em menor grau, o setor de vendas do varejo volta também a influenciar no avanço do consumo da classe. De acordo os dados mais recentes da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC/IBGE), o setor de vendas do varejo cresceu 1,6% em comparação a agosto do ano passado.  As atividades de combustíveis e lubrificantes; livros, jornais, revistas e papelaria, artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria; equipamentos e material para escritório, informática e comunicação e hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo podem ter contribuído para o aumento do consumo da classe. Quase todas as regiões do país apresentaram crescimento do consumo: o Norte (+7,5%) se destacou, seguido pela região Sul (+2,8%), Sudeste (+1,8%) e Nordeste (+0,3%). Por outro lado, o Centro-Oeste (-3,2%) foi a única região que apresentou queda no consumo da classe. Entre as Unidades da Federação, os maiores de destaques foram: Pará (+10,8%), Tocantins (+10,1%), Roraima (+9,9%), Rio Grande do Sul (+9,5%) e Amazonas (+7,2%). Enquanto isso, Maranhão (-11,2%), Mato Grosso do Sul (-4,7%), Espírito Santo (-4,2%), Acre e Mato Grosso (-3,9%, ambos) foram os Estados que registraram as maiores quedas no consumo.

O consumo de eletricidade nas residências (-0,7%) foi de 12.507 GWh. A classe apresentou retração do consumo em setembro em relação ao mesmo mês do ano passado, revertendo assim o crescimento apresentado nos dois meses anteriores. O clima mais ameno e o aumento no volume de chuvas em grande parte do País podem ter impactado em grande parte na redução do consumo da classe. As regiões Sudeste (-5,4%) e Centro-Oeste (-4,7%) puxaram a queda. De outro modo, o Sul (+7,8%), Norte (+6,1%) e Nordeste (+2,1%) tiveram aumento do consumo. Entre os Estados, as maiores reduções da taxa ocorreram no Mato Grosso do Sul (-14,4%) e no Rio de Janeiro (-14,0%). Chuvas intensas e temperaturas abaixo da média influenciaram na queda do consumo nesses Estados. Em contrapartida, Rio Grande do Sul (+15,6%), Pará (+12,0%) e Maranhão (+11,3%) foram os Estados que mais elevaram o consumo da classe em setembro de 2022. Um programa de redução de perdas aplicado pela distribuidora local do Maranhão e Pará continua impactando de forma positiva o consumo nesses Estados. Já, no Rio Grande do Sul, a redução na base de consumidores feita em 2021 explica em grande parte o aumento do consumo em 2022.

Quanto ao ambiente de contratação, o mercado livre apresentou crescimento de 4,9% no consumo do mês, enquanto o consumo cativo das distribuidoras de energia elétrica encolheu 2,7%.

Clique nos links a seguir para acessar a Resenha Mensal e ouvir o nosso Podcast.


Resenhas (1).png


Notícias Relacionadas

EPE apresenta Nota Técnica de GLP em reunião com a ANP

17/05/2024 - Com o intuito de promover melhor entendimento sobre a formação dos preços finais de combustíveis no Brasil, a EPE publicou Nota Técnica sobre a evolução da composição dos preços de gás liquefeito de petróleo (GLP) no mercado brasileiro.

EPE publica estudo sobre a formação de preço do GLP no mercado brasileiro

15/05/2024 - O estudo tem o intuito de promover melhor entendimento sobre a formação dos preços finais de combustíveis no Brasil e mostra a evolução da composição dos preços de GLP no mercado brasileiro. A publicação apresenta, também, uma comparação internacional da composição dos preços finais de GLP.

Sistemas Isolados – Coleta de Informações para o Planejamento do Ciclo 2024

15/05/2024 - A Portaria MME nº 59/2022 estabelece que os Agentes de Distribuição dos Sistemas Isolados devem elaborar suas propostas de planejamento para atendimento aos seus mercados consumidores e encaminhá-las à EPE até o dia 30 de junho de cada ano. A EPE é responsável pela avaliação técnica destas propostas a fim de subsidiar a aprovação do planejamento pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

EPE recebe delegação do Cazaquistão para discutir temas sobre a transição energética no Brasil

10/05/2024 - Em 06 de maio de 2024, a EPE recebeu uma delegação do Cazaquistão para discutir temas sobre a transição energética no Brasil, em particular políticas e iniciativas de descarbonização do Brasil visando o net-zero, bem como o papel da nuclear na transição energética.

EPE divulga Nota Técnica "Roadmap para o fortalecimento da resiliência do setor elétrico em resposta às mudanças climáticas – Revisão Bibliográfica”

10/05/2024 - As questões relacionadas às mudanças climáticas vêm trazendo transformações na produção da energia, nos hábitos de consumo, na economia, na legislação e, consequentemente, na forma de planejar o sistema energético. Nesse sentido, projeções climáticas e seus potenciais impactos estão sendo discutidos e avaliados no planejamento de longo prazo do setor, auxiliando no desenvolvimento de um sistema capaz de manter suas funções em cenários adversos. Diante disso, a partir de uma revisão bibliográfica, esse trabalho pretende compreender melhor as relações entre as mudanças climáticas e o setor elétrico brasileiro. Com isso, espera-se formar uma base de conhecimento fundamental para aprofundar estudos e avaliações com foco em aumentar a resiliência do sistema.