MME e EPE publicam novo caderno do PDE 2032: Eletromobilidade

A eletrificação do transporte rodoviário no Brasil deve expandir-se continuamente ao longo da próxima década, avançando de forma significativa em certos nichos de aplicação. A penetração de motorizações alternativas no licenciamento de novos veículos semileves e leves, para uso com o transporte cargas, deve ser particularmente elevada, alcançando, em 2032, cerca de 20% para elétricos e 15% para híbridos. Contribuem para isso a eletrificação de nichos como da entrega em última milha, estimulada por compromissos ESG de grandes empresas, e por crescentes restrições às emissões e à circulação de veículos poluentes em áreas urbanas, principalmente metrópoles.

A eletrificação de frotas de transporte público de massa também deve ancorar a disseminação da eletrificação em ônibus, elevando as projeções de licenciamentos de veículos elétricos novos para cerca de 10% em 2032. A compra de ônibus elétricos a bateria anunciada por cidades como São Paulo, São José dos Campos e Salvador fundamentam essa projeção. Observa-se que a eletrificação ainda enfrenta barreiras no curto prazo, especialmente em função do preço de aquisição dos ônibus e da infraestrutura de carregamento.

Os licenciamentos de automóveis elétricos privados devem ser inicialmente limitados aos segmentos de maior renda, em função dos níveis de renda, do comprometimento da renda com o serviço da dívida, e dos patamares de preços de veículos novos. Para caminhões semipesados e pesados, a significância do peso e do custo das baterias torna a eletrificação mais difícil e onerosa, restringindo sua aplicação para distâncias menores. Há oportunidade para outras tecnologias, como a hibridização e o gás natural (tanto comprimido, como liquefeito). No entanto, projeta-se que a motorização a diesel permaneça com cerca de 95% do total de licenciamentos em 2032.

O presente caderno também realiza uma abordagem do contexto internacional, explicando como subsídios governamentais e investimentos públicos e privados em veículos e redes de carregamento estão promovendo a expansão da eletrificação, especialmente nos EUA, na Europa e na China. No entanto, a eletrificação mais maciça nos países desenvolvidos tende a pressionar a oferta de materiais críticos, levantando questões sobre garantia de oferta, divergências geopolíticas, e de concentração da produção e processamento. O desequilíbrio entre oferta e demanda tende a se refletir nos preços, dificultando a adoção generalizada da eletrificação. 

O Brasil não sofre as mesmas pressões que outros países para eletrificar rapidamente sua frota pois é relativamente pouco dependente de importações de energia; possui um mercado de biocombustíveis bem estabelecido, com atividade econômica e empregos bastante relevantes; não tem a mesma demanda emergencial por redução da poluição local, embora haja oportunidades de melhoria; e os recursos para subsidiar veículos elétricos disputam espaço com outras medidas para promoção de crescimento e distribuição de renda.

 Clique aqui e acesse o Caderno de Eletromobilidade do PDE 2032.

Notícias Relacionadas

Lançamento do Fact Sheet de CCS em Reservatórios Salinos

21/06/2024 - A seleção de sítios para armazenamento geológico de carbono é fundamental para a transição energética, a mitigação de impactos ambientais e o cumprimento das metas do Acordo de Paris. Projetos de captura e armazenamento de carbono (CCS) e captura, utilização e armazenamento de carbono (CCUS) tem como principais alvos, em todo o mundo, reservatórios de óleo e gás e reservatórios salinos profundos.

EPE publica o Relatório Síntese do Balanço Energético Nacional 2024

19/06/2024 - NO ANO DE COMEMORAÇÃO dos 20 anos da Empresa de Pesquisa Energética - EPE e, em cumprimento ao estabelecido em sua lei de criação, a EPE apresenta ao público mais uma edição do Relatório Síntese do Balanço Energético Nacional 2024 – ano base 2023, documento que contém as informações consolidadas sobre quanto e como se usou energia no Brasil em 2023.

EPE lança versão em inglês do Webmap EPE

19/06/2024 - ​A EPE agora disponibiliza a versão em inglês do Webmap EPE, visando tornar as informações mais relevantes sobre o setor energético brasileiro acessíveis ao público estrangeiro.

EPE participa do III SINTRE - Seminário Internacional de Transmissão de Energia Elétrica

10/06/2024 - No dia 07 de junho, a EPE marcou presença no III Seminário Internacional de Transmissão de Energia (SINTRE), no painel "Inovação Tecnológica", que teve foco em sistemas de transmissão em corrente contínua (HVDC).

Atualização do boletim trimestral da energia eólica

03/06/2024 - O Boletim da Energia Eólica foi atualizado com dados do primeiro trimestre de 2024. Nas 3 regiões do nordeste brasileiro (Pernambuco, Litoral Nordeste e Interior Nordeste), a densidade de potência do vento foi abaixo da média histórica (jan/2017 – mar/2024) para os 3 primeiros meses do ano, com exceção do mês de fevereiro no Interior do Nordeste. No Rio Grande do Sul a densidade de potência observada no mês de janeiro foi próxima a média histórica, seguida por um fevereiro acima da média e um mês de março abaixo da média.