EPE apresenta competitividade dos ativos petrolíferos brasileiros em evento sobre a Segunda Rodada da Cessão Onerosa

No dia 14 de julho, a EPE participou de evento promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O webinar internacional "Brazil Oil & Gas Bidding Rounds 2021" apresentou ao mercado as oportunidades de investimentos no setor petrolífero brasileiro, com destaque para um painel sobre o 2º Leilão dos Volumes Excedentes da Cessão Onerosa.

A Diretora de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, Heloisa Borges Esteves, falou sobre a competitividade do óleo e gás brasileiro frente às demais oportunidades de investimento exploratório no mundo. Ela destacou que o mundo está em meio a uma transição energética, mas que mesmo as projeções de cenários de descarbonização (mais verdes) continuam a considerar uma demanda relevante para o petróleo e gás, apesar de sua menor importância na matriz energética global.

Além das melhorias recentes no marco regulatório feitas pelo Brasil, como a negociação dos termos contratuais pela PPSA antes da licitação, discutidas pelos outros painelistas, Heloisa apresentou uma série de vantagens da Exploração & Produção no Brasil quando comparado a outras frentes exploratórias: O Brasil é um país com reservas significativas de óleo e gás natural, com petróleos de baixo teor de enxofre, apresenta projetos com breakeven e intensidades de carbono associadas relativamente baixas, além de possuir um calendário regular de leilões, segurança jurídica e instituições fortes, com a presença de agência reguladora experiente e independente.

Clique aqui para acessar a apresentação.

Notícias Relacionadas

EPE é certificada no nível 2 no 5º ciclo do IG-SEST

02/12/2021 - Em cerimônia realizada ontem pelo Ministério da Economia, a EPE recebeu o certificado referente ao 5° Ciclo de avaliação do indicador IG-SEST. Dentre as 60 empresas estatais participantes, somente 31 foram certificadas. A EPE foi classificada no nível 2, com nota global 8,55. Além disso, a EPE obteve pontuações acima da mediana para todos os temas avaliados.

EPE e MME publicam o Caderno de Gás Natural do PDE 2031

01/12/2021 - No horizonte de 2021 a 2031, as previsões de oferta de gás natural no Brasil se mantiveram otimistas, dadas as perspectivas trazidas pelo Novo Mercado de Gás para o setor e o novo marco setorial consolidado com a Nova Lei do Gás e seu Decreto Regulamentador.

Resenha Mensal: O consumo de eletricidade no Brasil em outubro de 2021 apresentou recuo de 0,5% em relação ao mesmo mês de 2020

30/11/2021 - O consumo nacional de eletricidade em outubro foi de 42.621 GWh, recuo de 0,5% em comparação com mesmo período de 2020 e o primeiro mês em 2021 com retração, na comparação interanual. Ainda assim, outubro anota o segundo maior consumo de 2021. Responsável pela retração no mês, a redução do consumo nas residências superou a expansão no comércio e na indústria. O consumo acumulado em 12 meses totalizou 498.769 GWh, expansão de 5,1% comparado ao período anterior.

Webinar - Lançamento do Zoneamento Nacional de Recursos de Óleo e Gás Ciclo 2019-2021

30/11/2021 - O lançamento da sexta edição do estudo Zoneamento Nacional de Recursos de Óleo e Gás já tem data marcada: 13/12/2021, às 18h. O Estudo contínuo realizado em ciclos bianuais pela EPE, é uma importante ferramenta que apoia o Ministério de Minas e Energia (MME) na elaboração do planejamento energético, e completa em 2021, 10 anos de publicação.

Carga de energia deve crescer em média 3,4% por ano no período de 2022 a 2026

30/11/2021 - Em 2022, a projeção é de aumento de 2,7%, considerando alta de 1,3% no PIB A Empresa de Pesquisa Energética – EPE, o Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE divulgaram hoje, 30 de novembro, os dados da previsão de carga para o Planejamento Anual da Operação Energética - Ciclo 2022 (2022-2026). Para o período 2022-2026, a expectativa é de um crescimento médio da carga de 3,4% por ano. Em 2022, a projeção é de aumento de 2,7%, considerando alta de 1,3% no Produto Interno Bruto – PIB.