A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), comunica a nomeação de Angela Livino como presidente interina da EPE.

​Na última sexta-feira, 10/02/2023, o Conselho de Administração da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) nomeou Angela Livino como presidente interina da instituição.

Ao longo de seus 17 anos na EPE, Angela atuou em diferentes áreas. Ingressou como Assessora na EPE em agosto de 2005, no denominado quadro inicial de empregados da EPE. Posteriormente, foi admitida por meio de concurso público como Analista de Pesquisa Energética em agosto de 2010 e em fevereiro de 2014 foi designada como Superintendente Adjunta da Superintendência de Planejamento da Geração. Em janeiro de 2017 passou a ser lotada na Presidência, atuando inicialmente como Assessora da Presidência, e em maio de 2019 como Chefe de Gabinete da Presidência. Desde maio de 2020 ela assumiu a Diretoria de Gestão Corporativa e TI da EPE. 

Na EPE, Angela também coordenou e desenvolveu diversos estudos de planejamento da geração. Atuou na coordenação do grupo de metodologia para validação dos modelos computacionais utilizados para o planejamento e programação do sistema elétrico (CPAMP) e teve importante envolvimento na dinâmica dos leilões de energia nova desde 2005.

Antes da EPE, foi engenheira da Gerência de Planejamento da Operação do Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS de 2001 a 2005 e de 1997 a 2001 e foi Pesquisadora Contratada, Bolsista de Mestrado e Estagiária do Programas de Estudos Energéticos do Centro de Pesquisa de Energia Elétricas da Eletrobras - CEPEL.

Angela é graduada em Engenharia Civil pela UFRJ, possui Mestrado e Doutorado em Engenharia Civil com especialização em recursos hídricos e meio ambiente pela COPPE/UFRJ. Fez doutoramento sanduíche na Universidade de Harvard no Programa de Sustentabilidade da Harvard Kennedy School of Goverment, tendo sido Bolsista da Fulbright/CAPES neste mesmo período e seguiu como pesquisadora associada da mesma Universidade até 2016. Até março de 2020, Angela também atuou como Consultora Técnica da Universidade da Flórida em rede interdisciplinar que estuda barragens amazônicas.

Angela é a primeira mulher a assumir a presidência e permanecerá no cargo até a posse do(a) novo(a) presidente pelo Conselho de Administração, sem prejuízo das suas atribuições como Diretora de Gestão Corporativa.

Angela 2 181x190-100.jpg


 


Notícias Relacionadas

EPE lança plataforma para dar transparência de dados dos Sistemas Isolados e suporte para implementação do Programa Energias da Amazônia do Ministério de Minas e Energia.

01/03/2024 - A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lançou, nessa quinta-feira (29/02), o Portal de Acompanhamento dos Sistemas Isolados (PASI), em sua versão inicial. A nova ferramenta tem como objetivo centralizar a divulgação dos dados de planejamento dos Sistemas Isolados, unificando as informações entre os órgãos em cumprimento à diretriz estabelecida pelo Ministério de Minas e Energia pela A Portaria MME nº 59/2022.

EPE e PPSA assinam acordo de cooperação técnica

27/02/2024 - A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Pré-Sal Petróleo (PPSA) firmaram nesta terça-feira (27), um acordo de cooperação técnica, visando promover o intercâmbio de dados e informações necessárias ao desenvolvimento das atividades e de estudos realizados pelas duas empresas. O acordo terá vigência de cinco anos e prevê também a realização de ações específicas de capacitação entre as empresas, como treinamentos, palestras e eventos.

EPE encerra 2023 com importantes avanços no estudo de um novo bipolo

02/01/2024 - Em dezembro de 2023, importantes marcos do cronograma do "Estudo de Expansão das Interligações Regionais - Parte III: Expansão da Capacidade de Exportação da Região Nordeste" foram alcançados.

EPE e IEA publicam o Atlas de Eficiência Energética Brasil 2023

28/12/2023 - O Atlas de Eficiência Energética Brasil 2023 tem por objetivo principal o monitoramento do progresso da eficiência energética no Brasil, através de uma análise de indicadores, com dados até o ano de 2022.

EPE publica aprimoramento na metodologia de estimação de geração de microgeradores e minigeradores fotovoltaicos distribuídos

28/12/2023 - A partir dos dados anonimizados fornecidos pela Neoenergia, a EPE identificou que a geração real de MMGD está acima do calculado pela metodologia atual. No estado da Bahia, a geração real supera a estimativa em 33%, em média. Em São Paulo e Pernambuco, a geração real é cerca de 22% superior, em média.