EPE, BID e CEBRI lançam cenários de emissões líquidas nulas de gases de efeito estufa (GEE) no país no horizonte de 2050

A partir do segundo semestre de 2020, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) desenvolveram o Programa de Transição Energética. O objetivo do projeto foi criar um fórum de partes interessadas para disseminar e discutir cenários de transição energética de longo prazo no Brasil e desenvolver cenários de energia de longo prazo com base em um fórum independente e neutro de partes interessadas.

O programa foi estruturado em três grandes fases. A primeira delas, denominada divergência, teve o objetivo de mapear as principais tendências e incertezas críticas através de uma série de eventos virtuais, em debates com especialistas, público e partes interessadas. Em seguida na fase convergência foram realizados diálogos com empresas do setor de energia para, a partir de insumos da primeira fase, priorizar as incertezas críticas, definir balizadores e construir narrativas de três diferentes cenários neutralidade liquida de carbono no Brasil. A terceira e última fase foi o desenvolvimento da quantificação dos cenários com base na metodologia adotada pelo Cenergia/PPE/COPPE/UFRJ.

Em fevereiro de 2023, como resultado final do processo desenvolvido, foi publicado o Relatório "Neutralidade de carbono até 2050: cenários para a transição eficiente no Brasil" e o "Caderno Executivo do Programa de Transição Energética". Ambas as publicações podem ser acessadas aqui

Os workshops da fase divergência estão disponíveis no Youtube e podem ser acessados nos links abaixo.

1 - Geopolítica e Transição Energética (08/04) ;

2 - Futuro da Industria Brasileira (26/04);

3 - Transição Energética no pós-pandemia e recuperação econômica (29/04);

4 - O papel das cidades: demandas crescentes x sustentabilidade (05/05);

5 - Alternativas para descarbonização da matriz brasileira (18/05);

6 - O papel da Bioenergia e da Indústria de Óleo e Gás na transição energética;

7 - Os desafios dos segmentos de difícil descarbonização.

Outras informações também podem ser acessadas na página do núcleo de energia do CEBRI.

Notícias Relacionadas

EPE lança plataforma para dar transparência de dados dos Sistemas Isolados e suporte para implementação do Programa Energias da Amazônia do Ministério de Minas e Energia.

01/03/2024 - A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lançou, nessa quinta-feira (29/02), o Portal de Acompanhamento dos Sistemas Isolados (PASI), em sua versão inicial. A nova ferramenta tem como objetivo centralizar a divulgação dos dados de planejamento dos Sistemas Isolados, unificando as informações entre os órgãos em cumprimento à diretriz estabelecida pelo Ministério de Minas e Energia pela A Portaria MME nº 59/2022.

EPE e PPSA assinam acordo de cooperação técnica

27/02/2024 - A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Pré-Sal Petróleo (PPSA) firmaram nesta terça-feira (27), um acordo de cooperação técnica, visando promover o intercâmbio de dados e informações necessárias ao desenvolvimento das atividades e de estudos realizados pelas duas empresas. O acordo terá vigência de cinco anos e prevê também a realização de ações específicas de capacitação entre as empresas, como treinamentos, palestras e eventos.

Boletim interativo da Energia Eólica e atualização dos dados abertos do Sistema AMA

23/02/2024 - O Boletim da Energia Eólica é publicado desde junho de 2014, apresentando índices mensais que caracterizam o recurso eólico no país a partir de dados do Sistema AMA (Sistema de Acompanhamento de Medições Anemométricas).

Sistema AMA – Atualização da Lista de Equipamentos Aceitos

09/02/2024 - A EPE publica a atualização dos Equipamentos aceitos no Sistema AMA – Sistema de Acompanhamento de Medições Anemométricas. Novos equipamentos que constam da lista já podem ser cadastrados no Sistema.

EPE e MME divulgam a programação de estudos de planejamento da transmissão para 2024

07/02/2024 - Programação prevê 30 levantamentos que contemplarão todas as regiões do Brasil, incluindo conexão de cargas de hidrogênio.