Uso de Ar Condicionado no Setor Residencial Brasileiro: Perspectivas e contribuições para o avanço em eficiência energética

A energia utilizada para o conforto térmico é o uso final em edifícios que mais cresce no mundo. No Brasil, apenas no setor residencial, estima-se que a posse de ar-condicionado pelas famílias tenha mais que duplicado entre 2005 e 2017. Apesar do grande impulso das vendas na última década, a penetração desse tipo de aparelho ainda é relativamente baixa nas residências brasileiras, sugerindo a existência de uma demanda potencial por condicionamento de ar que deverá ser atendida no futuro.

A demanda crescente por climatização artificial insere grande impacto sobre o sistema elétrico do país. O aumento das cargas de condicionadores de ar eleva não apenas as necessidades gerais de eletricidade, mas também a necessidade de geração e distribuição para atender a demanda nos horários de pico, adicionado maior impacto sobre o sistema energético nacional.

Atualmente, existe uma grande oportunidade de reduzir o crescimento da demanda elétrica devido ao uso de condicionadores de ar por meio de políticas de eficiência energética. Existem muitas ações que podem ser tomadas, uma delas, e que apresenta a capacidade de reduzir rapidamente a demanda potencial por energia, são os índices mínimos de eficiência energética. Nesse sentido, há que se reconhecer a importância da recente aprovação de novos índices mínimos do coeficiente de eficiência energética (W/W) para condicionadores de ar tipo split para 3,02 W/W e do tipo janela de 2,65 a 2,94 W/W conforme a capacidade de refrigeração, determinada na Portaria Interministerial MME/MCT/MDIC nº 2 de 31 de julho de 2018.

Na nota técnica Uso de Ar Condicionado no Setor Residencial Brasileiro: Perspectivas e contribuições para o avanço em eficiência energética, a EPE apresenta cenários de consumo de eletricidade por condicionadores de ar residenciais no Brasil até 2035. Considerando apenas as políticas já divulgadas pelo governo, como a implementação das revisões de índices mínimos de eficiência energética até 2020, a EPE estima que a demanda por eletricidade devido ao uso de condicionadores de ar pelas famílias pode crescer 5,4% ao ano e atingir 48 TWh em 2035. Por outro lado, caso venham a ser implementados índices mínimos mais rigorosos ao longo do horizonte analisado, o consumo de eletricidade evitado poderia atingir 15 TWh em 2035, equivalente a uma usina de 3,5 GW.

Atender à demanda por condicionamento de ar com medidas de eficiência energética cria uma interseção entre três compromissos internacionais assumidos pelo Brasil: o Acordo de Paris, por meio da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil; os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que apresenta metas estabelecidas sobre pobreza, saúde, educação, energia sustentável e segurança alimentar, entre outros, que devem ser atingidas até 2030; e a Emenda de Kigali do Protocolo de Montreal, que prevê reduções na produção gases refrigerantes responsáveis pelo aquecimento global.

Contudo, a nota destaca que sustentabilidade e a promoção da eficiência energética no Brasil envolvem algumas ações, como o reforço da base de dados, a avaliação de conformidade dos aparelhos, o reforço da base laboratorial, desenvolvimento de edificações eficientes, por exemplo, cujo sucesso depende da coordenação entre os diferentes agentes do mercado, incluindo o governo, distribuidores de energia, fabricantes e importadores de aparelhos, e consumidores.

Para acessar a nota, clique aqui.

Notícias Relacionadas

EPE tem diversos artigos publicados no Anuário Cenários Eólica

15/01/2019 - A Brasil Energia lança a nova edição do anuário sobre o setor de energia eólica no país. Nele, além da qualidade editorial da equipe de jornalistas especializados da Brasil Energia, você terá acesso as contribuições exclusivas de importantes nomes do mercado de energia eólica, em especial, destacamos os colunistas da EPE:

Previsão de Carga para o Planejamento Anual da Operação Energética Ciclo 2019 (2019-2023)

11/01/2019 - O documento tem por objetivo apresentar o detalhamento das premissas e dos resultados da Previsão de carga para o Planejamento Anual da Operação Energética 2019-2023, elaborados em conjunto por Empresa de Pesquisa Energética – EPE, Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, antecipados no correspondente Boletim Técnico, divulgado no final do mês de novembro de 2019. Essas previsões de carga passaram a ser utilizadas a partir do Programa Mensal da Operação (PMO) de janeiro/2019.

Pela primeira vez, a EPE publica o Relatório de Planejamento para Atendimento aos Sistemas Isolados, Horizonte 2023 – Ciclo 2018

08/01/2019 - A Portaria MME nº 67/2018 publicada em março de 2018, solicita que os Agentes de Distribuição dos Sistemas Isolados elaborem proposta de planejamento para atendimento aos seus mercados consumidores situados em Sistemas Isolados, e as encaminhe para avaliação técnica da EPE e posterior aprovação do planejamento pelo Ministério de Minas e Energia (MME),

EPE realiza Lançamento de Notas Técnicas sobre Gás Natural

07/01/2019 - Ocorreu, no dia 18 de dezembro de 2018, no auditório da EPE, o evento “Lançamento de Notas Técnicas sobre Gás Natural”. Neste evento, organizado pela Diretoria de Estudos do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis da EPE, foram abordadas as perspectivas para a indústria de gás natural no Brasil nos próximos anos, tendo como pano de fundo três estudos publicados pela EPE no final de 2018.

EPE publica 5º Boletim de Conjuntura da Indústria do Petróleo

02/01/2019 - O quinto número do Boletim de Conjuntura da indústria do Petróleo apresenta o panorama da Venezuela. Detentor da maior reserva global de petróleo, este país enfrentou uma expressiva queda da produção devido às dificuldades enfrentadas pela indústria. A instabilidade político-econômica e restrições de acesso ao crédito em decorrência das sanções financeiras são alguns dos desafios que a Venezuela necessita solucionar para recuperar sua indústria petrolífera.