Economia da Energia

A EPE desenvolve uma série de estudos de economia da energia, que se caracterizam por serem transversais onde os aspectos econômicos exercem papel de destaque, como os cenários econômicos (tanto em nível macro quanto setorial), utilizados na formulação de cenários referenciais para os estudos de demanda de energia, da expansão da oferta e da infraestrutura de energia.

São analisadas as perspectivas de preços de energéticos, com ênfase em estudos de competitividade relativa em termos internacionais e desdobramentos nos preços internos de energia. 

A gestão da inovação é outra vertente abrangida neste conjunto de estudos. Nos estudos relacionados ao tema são apresentadas análises sobre perspectivas tecnológicas de inserção de novas tecnologias e evolução de tecnologias consolidadas no mercado através de roadmaps.

Outros estudos de crescente interesse são aqueles relacionados à eficiência energética e recursos energéticos distribuídos em que a EPE busca antecipar mudanças e propor ações, baseadas em análises de custos e benefícios, que possibilitem o aproveitamento eficiente de recursos distribuídos, tais como tecnologias de geração distribuída, armazenamento e veículos elétricos. 

O novo papel do consumidor, os novos modelos de negócios, a descentralização da produção, a presença de recursos energéticos distribuídos e a necessidade de permanente inovação em planejamento, regulação e políticas públicas são temas com grande impacto sobre o planejamento e operação dos sistemas elétricos. Nesse sentido, são elaborados estudos para auxiliar na estimativa de potenciais impactos de planos e programas que alterem a estrutura de mercado de energia vigente no país. Os estudos desenvolvidos nesta temática objetivam antecipar impactos e discutir caminhos que busquem o desenvolvimento sustentável e eficiente de mercado de energia brasileiro.

Aqui você encontra mais informações sobre cada uma destas atividades. 

Últimas Notícias da área de atuação

Uso de Ar Condicionado no Setor Residencial Brasileiro: Perspectivas e contribuições para o avanço em eficiência energética

14/12/2018 - A energia utilizada para o conforto térmico é o uso final em edifícios que mais cresce no mundo. No Brasil, apenas no setor residencial, estima-se que a posse de ar-condicionado pelas famílias tenha mais que duplicado entre 2005 e 2017. Apesar do grande impulso das vendas na última década, a penetração desse tipo de aparelho ainda é relativamente baixa nas residências brasileiras, sugerindo a existência de uma demanda potencial por condicionamento de ar que deverá ser atendida no futuro.

EPE publica estudos de levantamento de dados de eficiência energética na indústria brasileira

12/12/2018 - No sentido de fortalecer a disponibilidade dados primários para o planejamento de ações de promoção de eficiência energética, a EPE publica os resultados de estudo de levantamento de dados sobre diversos setores industriais. Trata-se de estudo denominado “Análise da Eficiência Energética em Segmentos Industriais Selecionados”, que se insere no âmbito do Projeto META (Projeto de Assistência Técnica dos Setores de Energia e Mineral), com financiamento do Banco Mundial. A execução foi descentralizada do MME para EPE.

Resenha Mensal: Consumo de eletricidade subiu 0,3% em relação ao mesmo mês de 2017.

30/10/2018 - O consumo de eletricidade na rede totalizou 39.080 GWh em setembro, com pequena variação de +0,3% em relação ao mesmo mês de 2017.Conforme as regiões geográficas, houve crescimento no Nordeste (+2,9%) e no Sudeste (+1,5%), nas demais foram registradas reduções, sendo a maior no Norte (-10,0%), seguido do Centro-Oeste (-2,0%) e Sul (-0,3%).

Últimas publicações da área de atuação

NOTA TÉCNICA EPE 030/2018

Uso de Ar Condicionado no Setor Residencial Brasileiro: Perspectivas e contribuições para o avanço em eficiência energética

BEN - Séries Históricas Completas

Séries Históricas Completas a partir do ano de 1970 do Balanço Energético Nacional.

Caderno de Demanda de Eletricidade

Os estudos de demanda deste caderno foram balizados po três cenários econômicos, descritos no Caderno de Economia - Número 1, publicado em fevereiro de 2018: referência e alternativos inferior e superior.