EPE publica o Relatório Final do Balanço Energético Nacional 2018

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) publica o Relatório Final do Balanço Energético Nacional 2018. O documento tem como base o ano de 2017 e apresenta as informações consolidadas sobre a quantidade e a forma que a energia foi utilizada no Brasil. 

O Balanço Energético Nacional (BEN) tem por finalidade contabilizar a oferta e o consumo de energia no Brasil, contemplando as atividades de extração de recursos energéticos primários, conversão dos recursos em formas secundárias, importação e exportação, distribuição e uso final da energia. 

No ano de 2017 o uso da energia foi distribuída da seguinte forma:

Oferta: A oferta interna de energia - total de energia disponibilizada no país -, atingiu 292,1 Mtep, registrando um acréscimo de 1,3% em relação ao ano anterior. Parte do aumento teve influência do comportamento das ofertas internas de gás natural e energia eólica, que subiram 6,7% e 26,5% no período, respectivamente.

Influenciou também na expansão da oferta interna bruta a retomada da atividade econômica do ano, quando o PIB nacional cresceu 1,0%, segundo o último dado divulgado pelo IBGE. No caso da energia elétrica verificou-se um avanço na oferta interna de 4,6 TWh (0,7%) em relação ao ano anterior (2016).

Devido às condições hidrológicas desfavoráveis, houve redução de 3,4% da energia hidráulica disponibilizada em relação ao ano anterior. Apesar da menor oferta hídrica, a participação de renováveis na matriz elétrica atingiu 80,4% em 2017, fato explicado pelo avanço da geração eólica. A geração eólica atingiu 42,4 TWh - crescimento de 26,5%. A potência eólica atingiu 12.283 MW, expansão de 21,3%.

Biodiesel: Em 2017 a produção de B100 no país cresceu 12,9% em relação ao ano anterior atingindo o montante de 4.291.294 m³. O percentual de B100 adicionado compulsoriamente ao diesel mineral elevou-se para 7,9%. A principal matéria-prima foi o óleo de soja (65%), seguido do sebo bovino (12%).

Micro e Mini Geração Distribuída: Incentivada por ações regulatórias que viabilizaram a compensação da energia excedente produzida por sistemas de menor porte (net metering), atingiu 359,1 GWh com uma potência instalada de 246,1 MW. Destaque para a fonte solar fotovoltaica, com 165,9 GWh e 174,5 MW de geração e potência instalada respectivamente.

Consumo: Seguindo a tendência verificada na oferta, o consumo final energético e não energético avançou 1,2% em relação ao ano anterior (2016), destaque para a expansão de 2,3% e 1,0% nos consumos dos setores de transporte e industrial, respectivamente.

Transporte: O segmento de transporte com uma expansão de 1,9 milhões de tep, liderando o aumento da demanda energética no ano. Isto ocorreu principalmente em virtude do aumento de 2,7% do consumo de óleo diesel, consequência da maior atividade do setor de transporte de carga.

No mercado de veículos leves foi registrado um crescimento de 0,5% na produção de gasolina automotiva, enquanto o consumo deste combustível expandiu 2,6%. Já a produção e consumo de etanol tiveram um comportamento inverso, com queda de 2,0% e 0,2% em relação ao ano anterior, respectivamente.

Indústria: O segmento industrial cresceu 0,9 milhões de tep em valores absolutos, registrou o segundo maior avanço da demanda energética. O crescimento dos consumos de carvão mineral (8,4%) no setor siderúrgico, e lixívia (3,6%) para produção de papel e celulose, impulsionaram a demanda energética industrial. 

O consumo final de eletricidade no país em 2017 registrou uma progressão de 0,9%. Os setores que mais contribuíram para este aumento foram o comercial (1,5%) e o industrial (1,1%). O setor residencial também teve um aumento de 0,8% no consumo de energia elétrica em relação a 2016.


Notícias Relacionadas

Grupo de Trabalho disponibiliza nota técnica sobre análise das perdas do sistema elétrico brasileiro

19/11/2018 - O Comitê Gestor de Informações Energéticas – CGIE, por meio do Grupo de Trabalho Perdas (GT Perdas), composto por representantes da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), sob coordenação do Ministério de Minas e Energia (MME), divulgou Nota Técnica com os resultados relacionados à identificação e quantificação das parcelas que compõem as chamadas "perdas" do Sistema Elétrico Brasileiro.

EPE divulga Custos Marginais de Operação dos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2/2018

14/11/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética - EPE disponibiliza o conjunto dos Custos Marginais de Operação (CMO) que serão utilizados no cálculo dos valores esperados do Custo de Operação (COP) e do Custo Econômico de Curto Prazo (CEC) dos empreendimentos de geração termelétrica para os Leilões de Energia Existente A-1/2018 e A-2/2018.

Caso Base dos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2/2018 – Cálculo e Revisão das Garantias Físicas

14/11/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética – EPE disponibiliza, na área de leilões de energia, o caso base com os arquivos de dados para o modelo NEWAVE, utilizados no cálculo e revisão das Garantias Físicas de Energia dos empreendimentos termelétricos com CVU diferente de zero, para participação nos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2/2018.

EPE publica estudo sobre Estocagem Subterranea de Gas Natural

13/11/2018 - A história e o desenvolvimento da estocagem subterrânea de gás natural (ESGN) é indissociável da do gás natural. Por se tratar de uma indústria de rede, a indústria de gás natural requereu desde o seu início tecnologias para lidar com o descasamento temporal e espacial da oferta e da demanda.

Webinar “Energy Efficiency Market Report 2018” da Agência Internacional de Energia - Convite

12/11/2018 - Com apoio do MME, da EPE e da Secretaria de Energia (SENER) do México, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoverá webinar sobre o relatório “Energy Efficiency Market Report 2018” (Relatório de Mercado de Eficiência Energética 2018), publicado recentemente pela AIE.