Brasil toma a decisão política de ingressar à IRENA

A Comissão Interministerial de Participação em Organismos Internacionais do Governo Federal aprovou nesta quarta-feira (17/01), por unanimidade, o início do processo de adesão do Brasil à Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA). O Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, destacou a importância da iniciativa ao lado do Presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Luiz Barroso, que chegou hoje de Abu Dhabi da 8º Assembleia Geral da IRENA.

“O Brasil é um dos melhores exemplos da substancial representatividade das energias renováveis na matriz, tanto elétrica quanto energética, e tenho convicção de que poderemos contribuir muito com a Agência e seus países membros. Como país membro, poderemos participar mais ativamente do debate sobre temas relevantes da agenda energética internacional, bem como nos beneficiar das ferramentas e iniciativas desenvolvidas pela IRENA”, afirmou o ministro.

O Ministro ainda lembrou que a IRENA vem realizando um importante trabalho desde sua fundação, há apenas 9 anos, período em que logrou estabelecer-se como autoridade global em energia renovável, e criou um relevante ambiente de debate das políticas de energias renováveis, incluindo os biocombustíveis, em nível mundial.

O alto número de membros que aderiram à Agência nesse curto intervalo de tempo é bastante expressivo. São 152 países membros e cerca de 30 países em processo de adesão, como o Brasil.

A  8º Assembleia Geral da IRENA ocorrida nos dias 13 e 14 de janeiro teve como temas centrais a discussão de políticas públicas para integração de renováveis e eletrificação da mobilidade.

O Presidente da EPE, Luiz Barroso, que representou o Brasil pelo segundo ano consecutivo no encontro, avaliou a importância da entrada do país. “O Brasil é pioneiro em uma serie de políticas para inserção de energia renováveis que foram posteriormente referências para vários países. Sua participação na IRENA colocará o país na elite mundial da nova onda de discussões, exportando e importando o melhor do conhecimento sobre o tema “.

A Agencia Internacional de Energia Renovável (IRENA)

IRENA é uma organização intergovernamental que apoia o desenvolvimento de energias renováveis nos países membros, bem como a redução de emissões de gases de efeito estufa. Criada em 2009, a Agência Internacional teve como foco o fomento às tecnologias eólica e solar produzidas nos países desenvolvidos. A partir de 2011, passou a considerar os bicombustíveis e a energia hidráulica no escopo dos seus trabalhos. A alteração estimulou o ingresso de países em desenvolvimento, como a África do Sul, Índia e China.

A participação brasileira poderá impulsionar a cooperação e a troca de informações entre os países que almejam o desenvolvimento principalmente em bioenergia. Como o Brasil reúne condições ideais para o desenvolvimento de fontes bioenergéticas, muito se beneficia em acompanhar as evoluções tecnológicas em bioenergia desenvolvidas por outros países, além de influenciar, como país líder nessa área, a pauta da Agência no tema.

A participação brasileira na IRENA contribuirá para a Plataforma Biofuturo, iniciativa do Ministério das Relações Exteriores (MRE), que conta com a participação do MME. As ações do MRE no campo internacional estão compatíveis com o Programa RenovaBio, que foi sancionado pelo Presidente da República em dezembro do ano passado.

O corpo técnico da IRENA poderá também proporcionar mais vantagens para o desenvolvimento da energia solar e eólica no Brasil. Além disso, poderá atrair investimentos, financiamentos e divulgação de processos licitatórios, beneficiando-se do apoio institucional da organização.


Fonte:
Ministério de Minas e Energia - Assessoria de Comunicação Social



Notícias Relacionadas

Webinar: Múltiplos Benefícios da Eficiência Energética

12/09/2018 - Com apoio da EPE e do MME, no próximo dia 19/09/2018, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoverá webinar sobre os múltiplos benefícios da eficiência energética. O foco tradicional para promoção da eficiência energética normalmente acaba por desconsiderar benefícios tais como contribuição à sustentabilidade do setor energético, desenvolvimento social e econômico e benefícios ambientais, entre outros.

MME reabre prazo de cadastramento dos projetos para os Leilões de Energia Existente A-1 e A-2

11/09/2018 - Publicada pelo MME a Portaria n° 383/2018 que reabriu o prazo de cadastramento dos projetos interessados em participar dos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2. Os empreendedores poderão cadastrar os projetos no Sistema AEGE e entregar os documentos necessários à Qualificação Técnica na EPE até às 12 horas do dia 14 de setembro de 2018.

INFORME Mercado Internacional de GNL 2017-2018

03/09/2018 - O mercado de GNL tem se mostrado cada vez mais dinâmico, com maior liquidez e tendendo à comoditização. Assim como no ano anterior, em 2017, expectativas de uma oferta excedente do combustível no mundo acabaram por não se concretizar, sendo compensada pelo concomitante aumento na demanda de GNL da China. A capacidade de se adequar às condições adversas de mercado vem demonstrando a maturidade cada vez maior da indústria de GNL.

Resenha Mensal: Consumo de eletricidade subiu 1,4% em julho

31/08/2018 - O consumo de eletricida-de na rede totalizou 37.894 GWh em julho, volume 1,4% maior que o registrado nesse mês em 2017. Houve aumento no Su-deste (+2,0%) e Sul (+2,4%), regiões que concentram por volta de 70% do mercado de ele-tricidade no país, e tam-bém no Centro Oeste (+3,2%) e Nordeste (+2,2%), enquanto caiu o consumo no Norte (-7,6%).

EPE participa da 7ª Conferência de Energia e Recursos Naturais da América Latina

31/08/2018 - A transformação do setor de Energia e Recursos Naturais, que vem acelerando, de forma constante, a tecnologia que tem transformado os negócios, a massificação da busca por energia renovável pelas grandes empresas do setor e os direcionamentos governamentais mostram que os altos executivos do setor precisam encontrar maneiras cada vez mais assertivas de como inovar dentro do mercado para permanecer sustentável no curto e no longo prazo. Neste momento os tomadores de decisão precisam compartilhar ideias e obter insights de executivos de todo o mundo de forma a mergulhar nos principais desafios atuais.