Resenha Mensal: o consumo nacional de energia elétrica ,em agosto de 2022, expandiu 3,0% em comparação com mesmo mês de 2021

​O consumo nacional de energia elétrica foi de 42.097 GWh, em agosto de 2022, expandindo 3,0% em comparação com mesmo mês de 2021.  A classe comercial continua liderando a expansão, porém também contribuem de forma bastante relevante para a alta a classe industrial, principalmente, e a classe residencial. No acumulado em 12 meses o consumo nacional registrou 507.074 GWh, alta de 1,4% em comparação ao período imediatamente anterior.

A classe Industrial registrou, em agosto de 2022, o maior consumo mensal de eletricidade desde setembro de 2013, anotando 15.884 GWh, expansão de 2,9%, em relação a agosto de 2021. Todas as regiões geográficas elevaram seu consumo industrial no período. Alavancados pela cadeia do alumínio primário, Norte (+10,4%) e Nordeste (+8,4%) se destacaram, seguidos por Centro-Oeste (+2,9%), Sul (+1,3%) e Sudeste (+0,9%). Quanto aos segmentos da indústria, a elevação no consumo foi disseminada, com oito dos dez ramos mais eletrointensivos apresentando alta. Metalurgia (+219 GWh; +6,0%) liderou no período, com alta no consumo de eletricidade puxada pela cadeia do alumínio primário. Destaque para a elevação no consumo pela entrada em operação de nova caldeira elétrica em uma grande unidade produtora no Pará, e a retomada da produção no final de abril em outra grande unidade no Maranhão, paralisada desde 2015. Por outro lado, a queda na produção siderúrgica do País atenuou a alta em metalurgia. Também se destacaram no período produtos alimentícios (+93 GWh; +4,7%), produtos químicos (+68 GWh; +4,2%) e produtos de borracha e material plástico (+59 GWh; +7,0%). Já produtos minerais não-metálicos (-35 GWh; -2,8%) e produtos têxteis (-28 GWh; -4,7%), foram os únicos, entre os mais eletrointensivos, com retração no consumo de eletricidade.

O consumo de energia elétrica da classe comercial cresceu 6,7% em agosto, em relação a agosto de 2021, atingindo 7.303 GWh. O comportamento positivo do setor de serviços do País continua influenciando a alta do consumo de eletricidade da classe. De acordo com os últimos dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS/IBGE), o setor de serviços variou 6,3% em julho desse ano, em comparação ao mesmo mês de 2021. O setor de transportes, serviços prestados às famílias, profissionais, administrativos e complementares e informação e comunicação podem ter impactado de forma mais relevante o crescimento do consumo. A base baixa de comparação em agosto de 2021, devido a algumas medidas de restrição de circulação de pessoas por conta da pandemia de COVID-19, também foi um fator que pode ter contribuído para o resultado do consumo. Todas as regiões do País anotaram taxas positivas de consumo da classe em agosto. A região Sudeste (+9,3%) lidera o crescimento, seguida pelo Centro-Oeste (+8,9%), Sul (+6,6%), Nordeste (+0,8%) e Norte (+0,7%). Os Estados que apresentaram as maiores taxas de consumo foram: Roraima (+18,5%), Goiás (+16,3%), Mato Grosso do Sul (+15,9%), Minas Gerais (+11,7%) e São Paulo (+11,5%). Enquanto isso, Amazonas (-12,9%), Maranhão (-9,4%), Amapá (-5,1%), Rio Grande do Norte (-4,8%), Ceará (-3,6%), Paraíba (-1,7%), Piauí (-0,8%) foram os estados que apresentaram taxas negativas de consumo.

O consumo de eletricidade nas residências (+2,1%) também cresceu em agosto, em relação ao mesmo mês do ano anterior, chegando a 12.088 GWh. A elevação da massa de rendimentos em função da queda do desemprego e o aumento dos benefícios sociais do governo podem ter contribuído para o aumento do consumo das residências no mês. Além disso, em função de condições hídricas favoráveis, a bandeira tarifária verde, mais baixa em relação à vermelha (vigente no mesmo mês de 2021), pode ter favorecido o incremento no consumo. Somente o Sul (-1,7%) registrou queda no consumo de energia elétrica da classe em agosto, onde temperaturas mais baixas e chuvas acima da média podem ter contribuído para o fato. As regiões Norte (+9,5%), Centro-Oeste (+8,2%), Sudeste (+1,6%) e Nordeste (+1,2%) tiveram aumento do consumo. Entre as Unidades da Federação, os maiores aumentos do consumo ocorreram no Espírito Santo (+18,1%), Roraima (+17,0%), Amazonas (+16,9%), Maranhão (+16,1%), Goiás (+14,1%), Acre (+12,8%) e Mato Grosso (+10,5%). Por outro lado, Amapá (-9,9%), Rio Grande do Norte (-6,1%), Paraíba (-4,3%), Ceará (-3,9%), Rio Grande do Sul (-2,9%) Piauí (-2,5%), Pernambuco (-1,5%), Minas Gerais (-1,4%), Paraná (-1,2%), Sergipe (-0,9%) e Santa Catarina (-0,6%) anotaram retração.

Quanto ao ambiente de contratação, o mercado livre apresentou alta de 6,7% no consumo do mês, enquanto o consumo cativo das distribuidoras de energia elétrica subiu 0,5%.

Clique nos links a seguir para acessar a Resenha Mensal e ouvir o nosso Podcast.


Notícias Relacionadas

EPE publica o Informe de Monitoramento da Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural

24/11/2022 - A EPE divulga a atualização do Informe de Monitoramento da Política de E&P, baseado na Resolução nº 17 de 8 de junho de 2017 aprovada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que estabelece, por fim, a nova Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural, que define suas diretrizes e orienta o planejamento e a realização de licitações.

EPE divulga nova versão da Nota Técnica - Dados de entrada para modelos elétricos e energéticos: metodologias e premissas

23/11/2022 - A nova versão desta Nota Técnica, elaborada como estudo de apoio ao PDE 2032, tem o objetivo de atualizar a metodologia e as premissas para obtenção de dados de geração representativos das usinas eólicas (onshore e offshore) e fotovoltaicas (centralizadas e flutuantes) para os estudos de planejamento da geração e transmissão realizados pela EPE.

Lançamento da Nota Técnica “Descarbonização do Setor de Transporte Rodoviário - Intensidade de carbono das fontes de energia”.

23/11/2022 - O foco deste estudo circunscreve-se aos avanços da intensidade de carbono dos combustíveis que compõem as projeções de demanda elaboradas pela EPE para o PDE 2031, considerando a Política Nacional de Biocombustíveis – RenovaBio.

Facilitar atração de investimentos no setor energético é o foco de acordo assinado entre ApexBrasil e EPE

18/11/2022 - No momento em que todos os olhares se voltam para as discussões ambientais e questões relacionadas a segurança e transição energéticas combinadas com a necessidade de segurança energética, o Brasil dá mais um passo para o aperfeiçoamento de seu sistema, que foi destino de cerca de 38% dos investimentos estrangeiros entre 2019 e 2021. Com o objetivo de ampliar os esforços conjuntos de atração de investimentos investimentos estrangeiros para impulsionar o setor de energia nacional, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) assinou na tarde do dia 9/11 um protocolo de intenções com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

EPE publica Nota Técnica - GNL de Pequena Escala: Estudo de caso no Brasil

18/11/2022 - Nesta nota técnica são abordados os principais projetos de GNL em pequena escala em operação e planejados no Brasil. Por meio de um estudo de caso na região Nordeste, são descritas as metodologias de dimensionamento das logísticas e dos custos para o modelo de negócio de GNL de pequena escala pelos modais rodoviário e aquaviário.