EPE e MME publicam novo caderno do PDE 2032: Demanda Energética do Setor de Transportes

A atividade do transporte de passageiros deve se expandir em 6,0% ao ano (a.a.) entre 2022 e 2032. A recuperação da renda e do emprego, com o PIB per capita voltando a níveis recordes, além de uma maior conectividade e compartilhamento de veículos, tendem a aumentar a locomoção das pessoas. Apesar disso, projeta-se um aumento da demanda energética do setor em 2,7% a.a. Políticas de promoção de eficiência, a implementação de Planos de Mobilidade Urbana priorizando o transporte público, uma crescente eletrificação e hibridização, e sobretudo o aumento da participação do transporte rodoviário coletivo e o avanço de sistemas metroferroviários permitem a eficientização que contribui para diminuir o crescimento da demanda energética.

Neste cenário, a atividade do transporte de cargas deve se expandir em 3,2% a.a. entre 2022 e 2032. O menor crescimento é causado por uma base alta, por ter sido um dos setores menos atingidos pelos reflexos da pandemia. A expansão da atividade é fundamental para o escoamento da produção brasileira, oriunda em grande parte do agronegócio. Mas a recuperação do PIB per capita, também contribui, estimulando o desempenho de outros setores, como varejo, automobilístico e construção civil, grandes demandantes por transporte de cargas. Espera-se um crescimento da demanda energética do setor de 1,6% a.a. A crescente participação dos modos ferroviário e aquaviário, e o aumento da parcela de caminhões pesados com nova tecnologia Proconve P8, mais eficiente, além de melhorias na infraestrutura rodoviária, permitem essa expansão menos energo-intensiva.

O efeito atividade contribui para um aumento da demanda energética do setor de transportes de 125 bilhões de litros de gasolina equivalente (lge) para 201 bilhões lge (+4,9% a.a.). O efeito estrutural, advindo da expansão dos modos metroferroviários, ferroviário e aquaviário, além do maior uso do transporte rodoviário coletivo, reduzem essa demanda potencial em 22 bilhões lge. Uma maior intensidade de uso, proveniente de planos e programas de redução das emissões e de promoção da eficiência energética, diminuem a demanda potencial em mais 23 bilhões lge. Portanto, projeta-se, durante o horizonte do estudo, uma expansão energética de 31 bilhões lge (+2,2% a.a.). 

Para mais detalhes, acesse o Caderno de Demanda Energética do Setor de Transportes aqui.

Notícias Relacionadas

EPE publica Atualização da NT DEE-RE-057/2016-r4 - Instruções para medições meteorológicas em parques eólicos.

27/03/2023 - A Nota Técnica DEE-RE-057/2016 - Instruções para medições meteorológicas em parques eólicos - foi revisada para a versão R4 em seus itens 3.18; 3.21 e 6.4. As atualizações foram referentes à:

EPE participa da inauguração do primeiro sistema de armazenamento por bateria em larga escala do país.

24/03/2023 - escala do país. Foi inaugurado nesta quinta-feira, 23, o primeiro sistema de energia em baterias em larga escala do país, em Registro, São Paulo. O evento contou com os representantes da ANEEL, o diretor-geral Sandoval Feitosa, o diretor Ricardo Tili e o superintendente de Concessões, Permissões e Autorizações de Transmissão e Distribuição, Ivo Sechi Nazareno. A EPE foi representada pelo analista de pesquisa energética Fábio de Almeida Rocha (DEE/STE).

Representantes de 25 países debatem no Brasil o futuro da energia limpa mundial

24/03/2023 - Mais de 300 representantes de 25 países debateram, entre os dias 20 e 22 de março, o futuro das energias limpas e renováveis no planeta. A reunião de altos oficiais da Clean Energy Ministerial (CEM) e da Mission Innovation (MI) foi realizada no Rio de Janeiro (RJ). O evento é preparatório para Reunião Ministerial da CEM e da MI, que acontece em julho, em Goa, na Índia. Em 2024, a reunião será sediada pelo Brasil, como reconhecimento do protagonismo do País no tema.

EPE participa do 3° Webinar EBP 2.0 - Grande Impulso Energia

23/03/2023 - Foi realizado na sexta feira, 10, a terceira edição do webinar EBP 2.0 - Grande Impulso Energia, com a participação da Analista de Pesquisa Energética Camila Ferraz (DEA/SEE) na moderação de um painel de com especialistas nas áreas de inovação e energia.

EPE publica os Informe Técnico sobre geração distribuída a diesel.

22/03/2023 - A MMGD a diesel surgiu espontaneamente, por viabilidade econômica, em resposta à tarifa horo-sazonal, que visou – e conseguiu – reduzir os picos de demanda no sistema interligado nacional, que ocorriam no fim da tarde e início da noite, nos idos da década de 1980.