EPE e MME publicam novo caderno do PDE 2032: Demanda Energética do Setor de Transportes

A atividade do transporte de passageiros deve se expandir em 6,0% ao ano (a.a.) entre 2022 e 2032. A recuperação da renda e do emprego, com o PIB per capita voltando a níveis recordes, além de uma maior conectividade e compartilhamento de veículos, tendem a aumentar a locomoção das pessoas. Apesar disso, projeta-se um aumento da demanda energética do setor em 2,7% a.a. Políticas de promoção de eficiência, a implementação de Planos de Mobilidade Urbana priorizando o transporte público, uma crescente eletrificação e hibridização, e sobretudo o aumento da participação do transporte rodoviário coletivo e o avanço de sistemas metroferroviários permitem a eficientização que contribui para diminuir o crescimento da demanda energética.

Neste cenário, a atividade do transporte de cargas deve se expandir em 3,2% a.a. entre 2022 e 2032. O menor crescimento é causado por uma base alta, por ter sido um dos setores menos atingidos pelos reflexos da pandemia. A expansão da atividade é fundamental para o escoamento da produção brasileira, oriunda em grande parte do agronegócio. Mas a recuperação do PIB per capita, também contribui, estimulando o desempenho de outros setores, como varejo, automobilístico e construção civil, grandes demandantes por transporte de cargas. Espera-se um crescimento da demanda energética do setor de 1,6% a.a. A crescente participação dos modos ferroviário e aquaviário, e o aumento da parcela de caminhões pesados com nova tecnologia Proconve P8, mais eficiente, além de melhorias na infraestrutura rodoviária, permitem essa expansão menos energo-intensiva.

O efeito atividade contribui para um aumento da demanda energética do setor de transportes de 125 bilhões de litros de gasolina equivalente (lge) para 201 bilhões lge (+4,9% a.a.). O efeito estrutural, advindo da expansão dos modos metroferroviários, ferroviário e aquaviário, além do maior uso do transporte rodoviário coletivo, reduzem essa demanda potencial em 22 bilhões lge. Uma maior intensidade de uso, proveniente de planos e programas de redução das emissões e de promoção da eficiência energética, diminuem a demanda potencial em mais 23 bilhões lge. Portanto, projeta-se, durante o horizonte do estudo, uma expansão energética de 31 bilhões lge (+2,2% a.a.). 

Para mais detalhes, acesse o Caderno de Demanda Energética do Setor de Transportes aqui.

Notícias Relacionadas

Lançamento do Fact Sheet de CCS em Reservatórios Salinos

21/06/2024 - A seleção de sítios para armazenamento geológico de carbono é fundamental para a transição energética, a mitigação de impactos ambientais e o cumprimento das metas do Acordo de Paris. Projetos de captura e armazenamento de carbono (CCS) e captura, utilização e armazenamento de carbono (CCUS) tem como principais alvos, em todo o mundo, reservatórios de óleo e gás e reservatórios salinos profundos.

EPE publica o Relatório Síntese do Balanço Energético Nacional 2024

19/06/2024 - NO ANO DE COMEMORAÇÃO dos 20 anos da Empresa de Pesquisa Energética - EPE e, em cumprimento ao estabelecido em sua lei de criação, a EPE apresenta ao público mais uma edição do Relatório Síntese do Balanço Energético Nacional 2024 – ano base 2023, documento que contém as informações consolidadas sobre quanto e como se usou energia no Brasil em 2023.

EPE lança versão em inglês do Webmap EPE

19/06/2024 - ​A EPE agora disponibiliza a versão em inglês do Webmap EPE, visando tornar as informações mais relevantes sobre o setor energético brasileiro acessíveis ao público estrangeiro.

EPE participa do III SINTRE - Seminário Internacional de Transmissão de Energia Elétrica

10/06/2024 - No dia 07 de junho, a EPE marcou presença no III Seminário Internacional de Transmissão de Energia (SINTRE), no painel "Inovação Tecnológica", que teve foco em sistemas de transmissão em corrente contínua (HVDC).

Atualização do boletim trimestral da energia eólica

03/06/2024 - O Boletim da Energia Eólica foi atualizado com dados do primeiro trimestre de 2024. Nas 3 regiões do nordeste brasileiro (Pernambuco, Litoral Nordeste e Interior Nordeste), a densidade de potência do vento foi abaixo da média histórica (jan/2017 – mar/2024) para os 3 primeiros meses do ano, com exceção do mês de fevereiro no Interior do Nordeste. No Rio Grande do Sul a densidade de potência observada no mês de janeiro foi próxima a média histórica, seguida por um fevereiro acima da média e um mês de março abaixo da média.