EPE e MME publicam novo caderno do PDE 2032: Demanda Energética do Setor de Transportes

A atividade do transporte de passageiros deve se expandir em 6,0% ao ano (a.a.) entre 2022 e 2032. A recuperação da renda e do emprego, com o PIB per capita voltando a níveis recordes, além de uma maior conectividade e compartilhamento de veículos, tendem a aumentar a locomoção das pessoas. Apesar disso, projeta-se um aumento da demanda energética do setor em 2,7% a.a. Políticas de promoção de eficiência, a implementação de Planos de Mobilidade Urbana priorizando o transporte público, uma crescente eletrificação e hibridização, e sobretudo o aumento da participação do transporte rodoviário coletivo e o avanço de sistemas metroferroviários permitem a eficientização que contribui para diminuir o crescimento da demanda energética.

Neste cenário, a atividade do transporte de cargas deve se expandir em 3,2% a.a. entre 2022 e 2032. O menor crescimento é causado por uma base alta, por ter sido um dos setores menos atingidos pelos reflexos da pandemia. A expansão da atividade é fundamental para o escoamento da produção brasileira, oriunda em grande parte do agronegócio. Mas a recuperação do PIB per capita, também contribui, estimulando o desempenho de outros setores, como varejo, automobilístico e construção civil, grandes demandantes por transporte de cargas. Espera-se um crescimento da demanda energética do setor de 1,6% a.a. A crescente participação dos modos ferroviário e aquaviário, e o aumento da parcela de caminhões pesados com nova tecnologia Proconve P8, mais eficiente, além de melhorias na infraestrutura rodoviária, permitem essa expansão menos energo-intensiva.

O efeito atividade contribui para um aumento da demanda energética do setor de transportes de 125 bilhões de litros de gasolina equivalente (lge) para 201 bilhões lge (+4,9% a.a.). O efeito estrutural, advindo da expansão dos modos metroferroviários, ferroviário e aquaviário, além do maior uso do transporte rodoviário coletivo, reduzem essa demanda potencial em 22 bilhões lge. Uma maior intensidade de uso, proveniente de planos e programas de redução das emissões e de promoção da eficiência energética, diminuem a demanda potencial em mais 23 bilhões lge. Portanto, projeta-se, durante o horizonte do estudo, uma expansão energética de 31 bilhões lge (+2,2% a.a.). 

Para mais detalhes, acesse o Caderno de Demanda Energética do Setor de Transportes aqui.

Notícias Relacionadas

Boletim interativo da Energia Eólica e atualização dos dados abertos do Sistema AMA

23/02/2024 - O Boletim da Energia Eólica é publicado desde junho de 2014, apresentando índices mensais que caracterizam o recurso eólico no país a partir de dados do Sistema AMA (Sistema de Acompanhamento de Medições Anemométricas).

Sistema AMA – Atualização da Lista de Equipamentos Aceitos

09/02/2024 - A EPE publica a atualização dos Equipamentos aceitos no Sistema AMA – Sistema de Acompanhamento de Medições Anemométricas. Novos equipamentos que constam da lista já podem ser cadastrados no Sistema.

EPE e MME divulgam a programação de estudos de planejamento da transmissão para 2024

07/02/2024 - Programação prevê 30 levantamentos que contemplarão todas as regiões do Brasil, incluindo conexão de cargas de hidrogênio.

Resenha Mensal: temperaturas elevadas impulsionam o consumo de eletricidade em dezembro e bate recorde histórico pelo terceiro mês consecutivo

31/01/2024 - A mais recente edição da Resenha mostra que o consumo nacional de energia elétrica foi de 47.170 GWh em dezembro de 2023, alta de 9,1% em comparação com dezembro de 2022, o terceiro recorde consecutivo de consumo em toda a série histórica, desde 2004. Assim como em outubro e novembro, impulsionados pelas ondas de calor, os consumos das classes residencial e comercial registraram taxas de expansão de dois dígitos.

EPE publica o Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados – Ciclo 2023

25/01/2024 - O Planejamento do Ciclo 2023 avaliou 196 localidades que fazem parte dos Sistemas Isolados, a previsão de interligação desses sistemas ao SIN, as projeções de crescimento do mercado consumidor dessas localidades, os índices de perdas, bem como as necessidades futuras de atendimento até 2028.