Seminário propõe debate sobre exploração de recursos de baixa permeabilidade

Muito tem sido discutido sobre a importância da reativação do ambiente onshore no Brasil, especialmente com o lançamento do programa REATE. Essa discussão abre a porta para um mercado quase totalmente novo: a exploração de recursos de baixa permeabilidade e reacende a necessidade de se discutir, de forma isenta e transparente, sua exploração no Brasil. O shale gas, por exemplo, ascendeu os EUA à posição de exportador de hidrocarbonetos, reduzindo sua vulnerabilidade externa, incrementando a produção por pequenos produtores e deslocando toda geopolítica mundial do petróleo em um curto espaço de tempo.

Com o objetivo de estudar o setor energético brasileiro e a importância da reativação do ambiente onshore, a FGV Energia, em parceria com o Ministério de Minas e Energia (MME), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), realizaram hoje o seminário “Discussões sobre a exploração de recursos de baixa permeabilidade no Brasil: projeto poço transparente”. A proposta deste evento visa a desmistificação da exploração de recursos de baixa permeabilidade por fraturamento hidráulico.

Adicional às discussões técnicas propostas pela FGV Energia, foram convidados representantes da UnB, Ministério do Meio Ambiente, Ministério Público, Confederação Nacional da Indústria, além de membros da EPE, da ANP e do MME. O evento conta com experts internacionais em projetos piloto com sistemas de monitoramento de risco como Marcellus Shale Energy and Environment Laboratory (MSEEL), assim como empresas de operação onshore e órgãos governamentais estaduais.

Logo após a abertura, esta manhã,  o Diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Ferreira Coelho, realizou sua apresentação: "RECURSOS EM RESERVATÓRIOS DE  BAIXA PERMEABILIDADE NO BRASIL", na foto falando sobre o REATE. Para acessar e baixar a apresentação completa, clique aqui. O evento iniciou às 9h, no auditório da FGV/RJ, e acontecerá ao longo do  dia de hoje com previsão de término às 18h.

JOSE_MAURO_COELHO_EPE.jpg

Texto: FGV ENERGIA       Foto: ASCOM





Notícias Relacionadas

EPE publica Nota Técnica sobre evolução de projetos fotovoltaicos

23/10/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética – EPE publica nova Nota Técnica “Projetos Fotovoltaicos nos Leilões de Energia”. Esse trabalho faz parte de uma série que vem acompanhando desde 2014 as características dos projetos fotovoltaicos no Brasil.

EPE publica o Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2018

17/10/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética - EPE disponibiliza as planilhas eletrônicas (workbook) do Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2018, nas quais estão disponíveis os dados consolidados de consumo de energia elétrica na rede de distribuição nos últimos cinco anos, com ênfase no ano de 2017 (ano base).

Apresentação do cronograma de trabalho do GT Metodologia-CPAMP para o ciclo 2018/2019

11/10/2018 - No próximo dia 25/10 será realizada reunião para divulgação do cronograma de trabalho do GT Metodologia para o ciclo 2018/2019 e para debater as questões colocadas nas contribuições ao Relatório “Representação da Árvore de Cenários e Variabilidade Amostral”, divulgado no site da EPE em 31/08/2018.

Período Eleitoral - Esclarecimentos

02/10/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética informa que desde o dia 7 de julho diminuiu o volume de publicação de notícias em seu portal, bem como, a veiculação de conteúdo por meio dos seus canais no Facebook, Twitter e Youtube. A medida atendeu à legislação eleitoral e às orientações da Instrução Normativa n° 01/2018 da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom/PR). A suspensão terá validade até 7 de outubro de 2018 ou, caso haja segundo turno nas eleições, até 28 de outubro de 2018.

Resenha Mensal: Consumo de eletricidade subiu 2% em agosto

28/09/2018 - O consumo de eletricidade na rede totalizou 38.596 GWh em agosto, nível 2,0% superior ao verificado nesse mês em 2017. Conforme as regiões geográficas, a Norte foi a única a registrar queda no consumo (-11,4%). A melhor taxa foi obtida pela região Centro Oeste (+4,2%), seguida da Nordeste (+3,7%), da Sudeste (+3,1%) e da Sul (+2,4%). Em doze meses a expansão no consumo ficou em 1,6%, com as regiões Centro Oeste (+2,9%) e Sul (+2,7%) apresentando melhores resultados.