Reunião sobre o Acordo Operacional EPE/ ONS reforça a importância do instrumento para melhoria dos processos das instituições e marca o início das atividades em 2018

Na última segunda-feira, 29 de janeiro, a EPE e o ONS iniciaram a agenda de atividades para 2018 do seu Acordo Operacional, instrumento mantido desde 2009 com a finalidade de receber elementos e subsídios necessários ao desenvolvimento das atividades relativas ao planejamento do setor elétrico e ampliar a atuação integrada e cooperativa entre as duas instituições.;

Os trabalhos foram iniciados em reunião da Comissão Mista, instância máxima de decisão do Acordo, realizada no Escritório Central do Operador. Pela EPE, estiveram presentes o presidente Luiz Barroso e o diretor Amilcar Guerreiro, a assessora da presidência e secretaria executiva do Acordo Angela Livino; pelo ONS, o diretor-geral Luiz Eduardo Barata Ferreira; o diretor de operações, Ronaldo Schuck, o diretor de planejamento Francisco Arteiro e o secretário geral, Marcelo Prais. Também participaram da reunião todos os coordenadores técnicos das áreas de geração, mercado, transmissão, hidrologia, metodologias e fontes renováveis e recursos distribuídos das duas instituições e os representantes das áreas jurídicas.

Na ocasião, cada coordenação executiva que integra o Acordo Operacional apresentou um resumo das ações realizadas ao longo de 2017 e os planos para este ano, cuja principal meta é aprimorar a padronização e no fluxo de troca de dados relevantes para o cotidiano das atribuições das instituições, visando contribuir com a melhoria dos estudos de transmissão, geração e projeção de mercado, dentre outros.


Notícias Relacionadas

EPE participa do debate de governança do mercado livre de energia

21/03/2019 - Casos de comercializadoras que não entregaram o que venderam trouxeram à tona temas essenciais para o desenvolvimento do mercado livre de energia, incluindo avançar em uma solução efetiva ao risco hidrológico – mais conhecido como GSF (Generation Scaling Factor) –, em uma nova governança e em maior transparência. Esses foram os principais pontos em análise no club meeting promovido pelo GRI Club Infra nesta quarta-feira, 20/03, no escritório Trench, Rossi e Watanabe Advogados em São Paulo.

EPE apresenta relatório técnico à prefeitura de Iracema

20/03/2019 - Representantes técnicos da EPE - Empresa de Pesquisa Energética foram recebidos pelo chefe de gabinete Waldemir Sousa na manhã desta terça-feira, 19 de março, para tratar de assuntos relacionados a continuidade da elaboração do relatório ambiental e social que dará o aval ou não da expedição da licença prévia para construção da hidrelétrica bem querer.

EPE participa do Workshop de Infraestrutura – Aperfeiçoamentos do Mercado de Geração Hídrica

20/03/2019 - Chuvas abaixo da média e mudanças estruturais no setor elétrico têm causado impactos relevantes nos geradores hidrelétricos, no funcionamento do mercado e no bolso dos consumidores. Diante desse cenário, a Federação das Indústria de São Paulo ( fIESP) organizou um workshop para discussão de ajustes no atual modelo regulatório e de aperfeiçoamentos na formação de preços, na alocação de riscos e na operação do sistema.

Programa de Expansão da Transmissão (PET) / Plano de Expansão de Longo Prazo (PELP), Ciclo 2019 – 1º semestre.

12/03/2019 - A Empresa de Pesquisa Energética – EPE publica o “Programa de Expansão da Transmissão (PET) / Plano de Expansão de Longo Prazo (PELP), Ciclo 2019 – 1º semestre”. O documento contempla todas as obras de expansão do Sistema Interligado Nacional (SIN) definidas em estudos de planejamento da EPE concluídos até fevereiro de 2019, com vistas a garantir as condições de atendimento aos mercados e os intercâmbios entre as regiões, mas que ainda não foram outorgadas (licitadas ou autorizadas).

Usinas Hidrelétricas Reversíveis (UHR): EPE publica Nota Técnica voltada a Estudos de Inventário no Brasil

08/03/2019 - Tendo em vista que as Usinas Hidrelétricas Reversíveis (UHR) constituem uma tecnologia que permite oferta de potência com a flexibilidade necessária para o atendimento à variação da carga no curto prazo, além de oferecer benefícios sistêmicos relacionados à economia, segurança e qualidade no fornecimento de energia elétrica, a sua participação na cesta de ofertas da matriz elétrica brasileira poderá constituir, num futuro próximo, uma opção para garantir uma expansão do sistema elétrico de forma econômica e sustentável.