Giovani Vitória Machado é o novo Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da EPE

Aos 49 anos, Giovani Vitória Machado é o novo Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O novo diretor tomou posse do cargo nesta segunda-feira (24/06) pela manhã.

Bacharel em Economia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), o Mestre e Doutor em Planejamento Energético (COPPE/UFRJ) também possui expertise em geopolítica e preços de petróleo e gás, planejamento de infraestrutura de gás natural, modelagem energética e projeção de demanda e oferta de energia, bem como planejamento, política e regulação do setor energético.

Nascido em Niterói (RJ), ingressou na EPE há 13 anos, em 2006, assumindo diferentes funções gerenciais na Diretoria de Petróleo, Gás e Biocombustíveis. Até esta data, atuou em várias instituições da área de energia, como a Lawrence Berkeley National Laboratory (LBNL), como pesquisador visitante; a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), como coordenador de estudos estratégicos; o Programa de Planejamento Energético da COPPE/UFRJ, como professor visitante; e a MBA em Energy Business da Fundação Getúlio Vargas (FGV), como professor e coordenador. Giovani também colaborou com a International Atomic Energy Agency (IAEA), como especialista internacional ad hoc em desenvolvimento energético sustentável e modelagem energética.

O presidente da EPE, Thiago Vasconcellos Barral, anunciou a nomeação de Giovani Machado e declarou: "Conto muito com você, toda diretoria conta muito. Espero que juntos possamos fazer um bom trabalho e que você seja muito feliz na condução da DEA." 

_MG_0689 (002).jpg

Notícias Relacionadas

Resenha Mensal - consumo de energia elétrica com redução de 1,3% em fevereiro

31/03/2020 - O consumo nacional de eletricidade totalizou 40.697 GWh em fevereiro, representando uma queda de 1,3% em relação ao mês de 2019, sob influência maior das regiões Sudeste (-3,7%) e Sul (-1,9%). Entre as regiões geográficas, somente a Região Norte (+17,7%) registrou alta no consumo de energia elétrica. As demais, Sudeste (-3,7%), Sul (-1,9%), Centro-Oeste (-0,6%) e Nordeste (-0,3%) apresentaram queda.

1ª Revisão Quadrimestral 2020: explicando os fundamentos do cenário

31/03/2020 - Em meio às discussões sobre os eventuais impactos da pandemia do coronavírus (ou COVID-19) no País, a 1ª Revisão Quadrimestral das Projeções da demanda de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional 2020-2024, elaborada em conjunto por Empresa de Pesquisa Energética – EPE, Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, teve o papel de reavaliar o cenário de expansão da demanda elétrica.

EPE, ONS e ANEEL divulgam Nota Técnica com Margens de Capacidade para Escoamento de Energia Elétrica para o Leilão de Energia Nova A-4 de 2020.

27/03/2020 - A Empresa de Pesquisa Energética - EPE divulga a Nota Técnica 25/2020, do Operador Nacional do Sistema (ONS), contendo os quantitativos da capacidade de escoamento de energia elétrica de todos os barramentos da Rede Básica, DIT (Demais Instalações de Transmissão) e ICG (Instalações Compartilhadas de Geração) indicados pelos empreendedores no Sistema AEGE no ato do cadastramento do Leilão de Energia Nova A-4 de 2020.

Impactado pela Covid-19, consumo de energia deve cair 0,9% em 2020

27/03/2020 - A Empresa de Pesquisa Energética – EPE, em conjunto com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE e o Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS, divulga nesta sexta-feira, os dados da 1ª Revisão Quadrimestral de Carga de 2020 para o Planejamento Anual da Operação Energética – período 2020-2024. Impactado pelas medidas de contenção da Covid-19, o consumo de energia elétrica deve cair 0,9% no ano. A previsão anterior era crescer 4,2%.

Avaliação dos Benefícios Econômicos da Antecipação da Interligação dos Sistemas Isolados do Pará

27/03/2020 - A EPE publica estudo comparativo entre os custos de suprimento a 12 sistemas isoladas do Pará, avaliando os custos da geração local por termelétricas a diesel versus os custos da interligação dessas localidades ao SIN, por meio de redes de distribuição. A análise foi realizada com base na redução dos dispêndios futuros da Conta de Consumo de Combustíveis – CCC.