Flexibilidade no sistema elétrico é tema de evento e publicação conjunta da EPE, MME e Ministério Alemão de Economia e Energia

A EPE e o MME, em parceria com o Ministério Alemão da Economia e Energia (BMWi), com o apoio da Agência Alemã para a Cooperação Internacional (GIZ) organizaram o Workshop " Untapping flexibility in power systems", com o objetivo de discutir estratégias para a garantia de flexibilidade operacional nos seus sistemas elétricos, especialmente diante do crescimento das fontes renováveis na matriz, notadamente a energia eólica e a solar fotovoltaica. O evento foi realizado no Rio de Janeiro, em 6 de outubro de 2017, nas instalações da EPE, com apresentações e debates com especialistas do Brasil e da Europa.

A abertura teve falas do Presidente da EPE, Luiz Augusto Barroso, do diretor do MME, Carlos Alexandre Pires, e do Chefe Adjunto da Divisão de Renováveis da BMWi, Ralf Christmann. Entre os convidados, especialistas de instituições relevantes do setor elétrico brasileiro, como EPE, CCEE, CEPEL e ONS, além de Christian Segnitz, representante da embaixada alemã.

As apresentações começaram com uma visão abrangente dos sistemas elétricos brasileiro e alemão e os principais fatores que explicam a crescente necessidade de flexibilidade operacional, sobretudo a penetração de fontes como eólica e solar. Uma das apresentações abordou o conceito inovador de "Virtual Power Plant", que faz uso da tecnologia para agregar recursos energéticos distribuídos e oferecer serviços para o sistema (incluindo gerenciamento pelo lado da demanda), em um ambiente competitivo. Outra apresentação abordou o "Flexibility Tracker", ferramenta para avaliar como os sistemas estão desenvolvidos em termos de flexibilidade. Por fim, foram debatidos diversos possíveis ajustes nos sinais do mercado e nas disposições regulatórias para viabilizar a oferta eficiente de flexibilidade para a operação dos sistemas elétricos.

Ao final, as instituições produziram um relatório que traz uma síntese das apresentações e discussões, documento que pode ser acessado no link abaixo.

Untapping flexibility in power systems

 

8.jpg

 

Você também pode acessar este vídeo produzido pela EPE sobre a importância da flexibilidade e como esse tema está sendo pensado nos estudos de planejamento energético.





Notícias Relacionadas

Informe Técnico: Terminais de Regaseificação de GNL nos Portos Brasileiros - Panorama dos Principais Projetos e Estudos

20/04/2018 - O informe apresenta as principais características técnicas e os graus de maturidade dos estudos e projetos de terminais de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) no litoral brasileiro, consolidando as informações divulgadas nos sítios eletrônicos das empresas envolvidas, em eventos do setor de energia e na mídia especializada.

Em nova publicação, o JornalCana destaca informações da EPE em diversas matérias.

18/04/2018 - Na edição 291 de abril/2018, informações e estudos da EPE estão em temas de destaque nas diversas matérias publicadas.

EPE participa da 3ª Reunião do Comitê RenovaBio

18/04/2018 - O Presidente em Exercício e Diretor de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, José Mauro Coelho, o Consultor Técnico da Área de Biocombustíveis, Rafael Barros Araujo e os Analistas de Pesquisa Energética, Kriseida Alekseev (SPT/DPG) e Dan Abensur Gandelman (DEE/SGE), compareceram no Ministério de Minas e Energia, nessa quarta-feira (18/04), para participar da 3ª Reunião do Comitê RenovaBio.

EPE publica revisão das Instruções para Cadastramento e Habilitação Técnica de Empreendimentos Termelétricos

16/04/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética - EPE publicou revisão das Instruções para Solicitação de Cadastramento e Habilitação Técnica com vistas à participação nos Leilões de Energia Elétrica para empreendimentos Termelétricos. A nova versão traz atualizações e alterações necessárias para melhoria do processo de Habilitação Técnica.

EPE disponibiliza o Caderno de Demanda de Eletricidade

16/04/2018 - Os estudos de demanda deste Caderno foram balizados por três cenários econômicos, descritos no Caderno de Economia - Número 1, publicado em fevereiro de 2018: referência e alternativos inferior e superior.