EPE participa do debate de governança do mercado livre de energia

Casos de comercializadoras que não entregaram o que venderam trouxeram à tona temas essenciais para o desenvolvimento do mercado livre de energia, incluindo avançar em uma solução efetiva ao risco hidrológico – mais conhecido como GSF (Generation Scaling Factor) –, em uma nova governança e em maior transparência. Esses foram os principais pontos em análise no club meeting promovido pelo GRI Club Infra nesta quarta-feira, 20/03, no escritório Trench, Rossi e Watanabe Advogados em São Paulo.

 Para discutir os próximos passos, as medidas de prevenção e entender o que está sendo feito pelos entes públicos, o GRI trouxe ao debate, como convidados especiais, Helvio Neves Guerra, secretário adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME); Thiago Ivanoski Teixeira, superintendente adjunto da Empresa de Pesquisa Energética (EPE); Ricardo Takemitsu Simabuku, superintendente adjunto de Regulação Econômica da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel); e Ary Pinto, conselheiro e diretor da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A moderação ficou a cargo de José Roberto Martins, sócio do Trench, Rossi e Watanabe.

Maior interação com o mercado

 "[Um dos objetivos do MME] é estabelecer o diálogo permanente com o mercado, a sociedade e os consumidores, promovendo a transparência, com capacidade de interagir, perceber como o mercado vê [o setor elétrico] e quais as dificuldades enfrentadas, ouvindo e propondo soluções", declarou ao GRI Hub Helvio Neves Guerra, representante da pasta, logo após a reunião.

 Por sua vez, o representante da EPE explicou durante o encontro os próximos passos da empresa pública federal. "Para o próximo PDE (Plano Decenal de Expansão de Energia, previsto para 2029) a EPE considera a expansão do mercado como um todo. Não estamos preocupados em separar esse crescimento em porcentagens, e sim com a expansão em potência e energia", esclareceu Thiago Ivanoski. 

 Outro ponto abordado por ele foi a necessidade de se retomarem discussões aprofundadas de pontos tratados na consulta pública nº 33. "A discussão ficou centralizada na separação entre lastro e energia, mas há uma série de pontos que, se concatenados de forma coerente, transforma o mercado." Entre os exemplos, ele citou a governança do mercado livre, como estabelecer garantias coerentes e eventualmente reduzir o tempo de liquidação. "Porém, há dificuldades, como em qualquer mudança", disse.

 Ivanoski considerou ainda que problemas do passado serão dirimidos a partir do Projeto de Lei nº 10.985, uma das prioridades do governo. Hoje, a EPE atua no planejamento de novos estudos, com medidas de prevenção. 

Contabilização semanal

 Ricardo Simabuku, da Aneel, recordou feitos já realizados anteriormente pela agência reguladora – como o aprimoramento de informações de mercado, a criação do cadastro positivo e o movimento da divulgação dos preços – e detalhou a proposta de redução do prazo de contabilização da energia, de mensal para semanal. A meta da entidade é que a medida passe a vigorar a partir de 1 de janeiro de 2020. 

 "Há um grande trabalho em desenvolvimento para ajustar regras, definir valores de medições corretas e processos para reduzir diversos prazos. Mas a meta é reduzir o nível de pressão em relação ao mercado para fazer uma liquidação. Outro ponto que estamos trabalhando é a divulgação de informações, como índices dos agentes [comercializados] a respeito das operações", enfatizou Simabuku ao GRI Hub.

 Sobre as demandas de regulação e determinação das operações propriamente ditas, o superintendente explicou que a agência reguladora atua no direcionamento de empoderar o mercado – compradores e vendedores – para a tomada de decisões. 

 Entre os principais pontos reivindicados pelos players presentes à reunião do GRI Club Infra, estiveram a necessidade de evolução de políticas públicas, a urgência de uma resolução efetiva ao GSF, garantias e uma adequada alocação de riscos, fatores considerados essenciais para permitir a evolução e expansão do mercado livre de energia. 

 Acompanharam o encontro 45 participantes, como David Taff (Siemens Participações), Humberto Junqueira de Farias (Âmbar Energia), Reynaldo Passanezi Filho (CTEEP - Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista) e Ricardo Costa (GDSolar). 


Fonte e mais informaões sobre a agenda, clique aqui.

Plenaria.jpg


Thiago Ivanoski.png

Fotos: ASCOM GRI Club Infra (repodução)

Notícias Relacionadas

EPE cadastra 1.829 empreendimentos para o Leilão A-6 de 2019 e bate recorde de oferta com mais de 100 GW

11/06/2019 - Foi concluído nesta terça-feira, 11/06/2019, às 12h00, o cadastramento dos projetos para participação no Leilão de Energia Nova “A-6” de 2019. Anunciado pelo Ministério de Minas e Energia por meio da Portaria nº 222, de 06 de maio de 2019, o Leilão está previsto para ser realizado em 17 de outubro, com participação das fontes eólica, solar fotovoltaica, termelétrica a biomassa, carvão mineral nacional e gás natural e hidrelétrica com capacidade instalada de 1 a 50 MW.

EPE promove Workshop de Planejamento do atendimento aos Sistemas Isolados - ciclo 2019

10/06/2019 - A EPE promoveu no dia 7 de junho o Workshop de Planejamento de Atendimento aos Sistemas Isolados dando início ao ciclo de 2019. Além da EPE, o evento contou com a participação do MME, ONS, CCEE e dos Agentes de Distribuição, que são os responsáveis pelo envio do planejamento do atendimento ao seu mercado consumidor.

EPE participa da 7ª edição do UK & Brazil: Partners in Energy

07/06/2019 - A 7ª edição do UK & Brazil: Partners in Energy, que aconteceu entre os dias 3 e 5 junho de 2019, no Rio de Janeiro. O evento é uma ação promovida pelo governo britânico no lançamento de nova fase de colaboração com o Brasil na área de energia.

Usinas Híbridas: EPE Publica a Nota Técnica “Usinas Híbridas no Contexto do Planejamento Energético”

07/06/2019 - Dando prosseguimento à discussão sobre usinas híbridas, iniciada pelas Notas Técnicas “Avaliação da geração de usinas híbridas eólico-fotovoltaicas - Proposta metodológica e estudos de Caso”, e “Usinas Híbridas - Uma análise qualitativa de temas regulatórios e comerciais relevantes ao planejamento”, e continuada no Workshop “Usinas Híbridas no SIN”, esta Nota Técnica traz ao debate questões levantadas recentemente, após a publicação dos documentos anteriores, sobre as chamadas usinas híbridas.

EPE participa do CWC World Gas Series: Brazil & The Americas Summit

06/06/2019 - A conferência CWC World Gas Series: Brazil & The Americas Summit aconteceu entre os dias 20 e 22 de maio de 2019 no Rio de Janeiro, no Belmond Copacabana Palace. O superintendente de Gás Natural e Biocombustíveis Giovani Machado, o diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Erik Rego, e os analistas Jorge Bezerra (SEG) e Luiz Paulo Barbosa (SGB) representaram a EPE.