EPE participa do debate de governança do mercado livre de energia

Casos de comercializadoras que não entregaram o que venderam trouxeram à tona temas essenciais para o desenvolvimento do mercado livre de energia, incluindo avançar em uma solução efetiva ao risco hidrológico – mais conhecido como GSF (Generation Scaling Factor) –, em uma nova governança e em maior transparência. Esses foram os principais pontos em análise no club meeting promovido pelo GRI Club Infra nesta quarta-feira, 20/03, no escritório Trench, Rossi e Watanabe Advogados em São Paulo.

 Para discutir os próximos passos, as medidas de prevenção e entender o que está sendo feito pelos entes públicos, o GRI trouxe ao debate, como convidados especiais, Helvio Neves Guerra, secretário adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME); Thiago Ivanoski Teixeira, superintendente adjunto da Empresa de Pesquisa Energética (EPE); Ricardo Takemitsu Simabuku, superintendente adjunto de Regulação Econômica da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel); e Ary Pinto, conselheiro e diretor da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A moderação ficou a cargo de José Roberto Martins, sócio do Trench, Rossi e Watanabe.

Maior interação com o mercado

 "[Um dos objetivos do MME] é estabelecer o diálogo permanente com o mercado, a sociedade e os consumidores, promovendo a transparência, com capacidade de interagir, perceber como o mercado vê [o setor elétrico] e quais as dificuldades enfrentadas, ouvindo e propondo soluções", declarou ao GRI Hub Helvio Neves Guerra, representante da pasta, logo após a reunião.

 Por sua vez, o representante da EPE explicou durante o encontro os próximos passos da empresa pública federal. "Para o próximo PDE (Plano Decenal de Expansão de Energia, previsto para 2029) a EPE considera a expansão do mercado como um todo. Não estamos preocupados em separar esse crescimento em porcentagens, e sim com a expansão em potência e energia", esclareceu Thiago Ivanoski. 

 Outro ponto abordado por ele foi a necessidade de se retomarem discussões aprofundadas de pontos tratados na consulta pública nº 33. "A discussão ficou centralizada na separação entre lastro e energia, mas há uma série de pontos que, se concatenados de forma coerente, transforma o mercado." Entre os exemplos, ele citou a governança do mercado livre, como estabelecer garantias coerentes e eventualmente reduzir o tempo de liquidação. "Porém, há dificuldades, como em qualquer mudança", disse.

 Ivanoski considerou ainda que problemas do passado serão dirimidos a partir do Projeto de Lei nº 10.985, uma das prioridades do governo. Hoje, a EPE atua no planejamento de novos estudos, com medidas de prevenção. 

Contabilização semanal

 Ricardo Simabuku, da Aneel, recordou feitos já realizados anteriormente pela agência reguladora – como o aprimoramento de informações de mercado, a criação do cadastro positivo e o movimento da divulgação dos preços – e detalhou a proposta de redução do prazo de contabilização da energia, de mensal para semanal. A meta da entidade é que a medida passe a vigorar a partir de 1 de janeiro de 2020. 

 "Há um grande trabalho em desenvolvimento para ajustar regras, definir valores de medições corretas e processos para reduzir diversos prazos. Mas a meta é reduzir o nível de pressão em relação ao mercado para fazer uma liquidação. Outro ponto que estamos trabalhando é a divulgação de informações, como índices dos agentes [comercializados] a respeito das operações", enfatizou Simabuku ao GRI Hub.

 Sobre as demandas de regulação e determinação das operações propriamente ditas, o superintendente explicou que a agência reguladora atua no direcionamento de empoderar o mercado – compradores e vendedores – para a tomada de decisões. 

 Entre os principais pontos reivindicados pelos players presentes à reunião do GRI Club Infra, estiveram a necessidade de evolução de políticas públicas, a urgência de uma resolução efetiva ao GSF, garantias e uma adequada alocação de riscos, fatores considerados essenciais para permitir a evolução e expansão do mercado livre de energia. 

 Acompanharam o encontro 45 participantes, como David Taff (Siemens Participações), Humberto Junqueira de Farias (Âmbar Energia), Reynaldo Passanezi Filho (CTEEP - Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista) e Ricardo Costa (GDSolar). 


Fonte e mais informaões sobre a agenda, clique aqui.

Plenaria.jpg


Thiago Ivanoski.png

Fotos: ASCOM GRI Club Infra (repodução)

Notícias Relacionadas

A EPE realizará o Workshop Lastro e Energia (Relatório de apoio já disponível)

17/08/2019 - A EPE juntamente com o Ministério de Minas e Energia, realizará no dia 21 de agosto o Workshop Lastro e Energia, que ocorrerá no âmbito do GT Modernização do Setor Elétrico. O evento acontecerá em Brasília e contará com a participação do CCEE, ONS e ANEEL.

EPE participa do 19º Seminário de Gás Natural 2019

16/08/2019 - O diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, José Mauro Coelho, participou como representante da EPE, no dia 14 de agosto de 2019, do "19º Seminário de Gás Natural 2019". A Mesa Redonda em que participou teve o tema central “Condições para Viabilização da Oferta do Gás Natural do Pré-Sal”.

EPE lança o Informe Técnico - Competitividade do Gás Natural: Estudo de Caso na Indústria de Fertilizantes Nitrogenados

16/08/2019 - O Informe Técnico "Competitividade do Gás Natural: Estudo de Caso na Indústria de Fertilizantes Nitrogenados" é primeiro documento de uma série, que tem por objetivo avaliar o potencial de entrada de novas unidades industriais intensivas em gás natural.

EPE participa de Workshop sobre Serviços Ancilares

13/08/2019 - O evento promovido pelo ONS e ANEEL ocorreu nos dias 31 de julho e 1º de agosto, no Rio de Janeiro. A EPE foi representada pelo Consultor Técnico Daniel José Tavares de Souza, da Superintendência de Transmissão de Energia, que participou como palestrante no primeiro painel sobre “Os Serviços Ancilares no Planejamento do Sistema”.

EPE recebe a nota 10 no 4º Ciclo de Avaliação do Indicador de Governança das Estatais (IG-SEST)

12/08/2019 - No último dia 09 de agosto de 2019 a EPE recebeu a nota 10 no 4º Ciclo de Avaliação do Indicador IG-SEST. Nessa edição participaram 61 Empresas, sendo que apenas 14 empresas tiraram a nota máxima, dentre elas a EPE.