Diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Coelho, concedeu entrevista ao Jornal O Globo

Brasil sobe no ranking e se torna 9º maior produtor de petróleo no mundo

Falta de investimentos, porém, deve aumentar dependência da importação de derivados

Por Ramona Ordoñez, Jornal O Globo

RIO- O Brasil subiu mais um degrau no ranking dos dez países maiores produtores de petróleo do mundo. O país está em 9º lugar com uma produção média de 3,2 milhões de barris de petróleo (óleo e gás) por dia, representando 3% da produção total mundial. O ranking é da a Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês), com base nas dados de 2017. O Brasil passou o Kuwait, país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que teve produção de 3,1 milhão de barris.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.

Mas, de acordo com José Mauro, a falta de investimentos na expansão do refino no país poderá fazer com que o Brasil em 2026 esteja entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Isto porque, sem ampliação da capacidade de refino no país para atender ao aumento do consumo de combustíveis, ao mesmo tempo que sobrará petróleo cru para exportar, o país terá que importar maior volume de derivados.

- Devido aos baixos investimentos em refino no período, poderemos em 2026 estar exportando algo em torno de 3 milhões de barris/dia. Estaremos entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Possivelmente atrás somente de Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Canadá - destacou.

Sem novos investimentos para o aumento da capacidade de refino no país, da qual 98% são controlados pela Petrobras, em 2026 o Brasil será um forte importador de derivados, o que não é bom termos estratégicos. E os derivados no mercado internacional têm um preço superior ao da cotação do petróleo cru. As projeções da EPE indicam que, em 2026, com o aumento da demanda de combustíveis, o Brasil deverá ter de importar em torno de 800 mil barris diários de combustíveis.

- Nossas projeções mostram que, se não investirmos em refino, poderemos em 2026 estar importando cerca de 800 mil barris por dia de derivados, em especial óleo diesel, e também outros derivados como o GLP, nafta, gasolina e QAV (de aviação) - disse José Mauro.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.


Clique aqui para acessar a matéria na íntegra e veja abaixo a versão impressa publicada hoje no Jornal O Globo.

WhatsApp Image 2018-06-19 at 09.10.40.jpeg 


Notícias Relacionadas

Grupo de Trabalho disponibiliza nota técnica sobre análise das perdas do sistema elétrico brasileiro

19/11/2018 - O Comitê Gestor de Informações Energéticas – CGIE, por meio do Grupo de Trabalho Perdas (GT Perdas), composto por representantes da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), sob coordenação do Ministério de Minas e Energia (MME), divulgou Nota Técnica com os resultados relacionados à identificação e quantificação das parcelas que compõem as chamadas "perdas" do Sistema Elétrico Brasileiro.

EPE divulga Custos Marginais de Operação dos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2/2018

14/11/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética - EPE disponibiliza o conjunto dos Custos Marginais de Operação (CMO) que serão utilizados no cálculo dos valores esperados do Custo de Operação (COP) e do Custo Econômico de Curto Prazo (CEC) dos empreendimentos de geração termelétrica para os Leilões de Energia Existente A-1/2018 e A-2/2018.

Caso Base dos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2/2018 – Cálculo e Revisão das Garantias Físicas

14/11/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética – EPE disponibiliza, na área de leilões de energia, o caso base com os arquivos de dados para o modelo NEWAVE, utilizados no cálculo e revisão das Garantias Físicas de Energia dos empreendimentos termelétricos com CVU diferente de zero, para participação nos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2/2018.

EPE publica estudo sobre Estocagem Subterranea de Gas Natural

13/11/2018 - A história e o desenvolvimento da estocagem subterrânea de gás natural (ESGN) é indissociável da do gás natural. Por se tratar de uma indústria de rede, a indústria de gás natural requereu desde o seu início tecnologias para lidar com o descasamento temporal e espacial da oferta e da demanda.

Webinar “Energy Efficiency Market Report 2018” da Agência Internacional de Energia - Convite

12/11/2018 - Com apoio do MME, da EPE e da Secretaria de Energia (SENER) do México, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoverá webinar sobre o relatório “Energy Efficiency Market Report 2018” (Relatório de Mercado de Eficiência Energética 2018), publicado recentemente pela AIE.