Diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Coelho, concedeu entrevista ao Jornal O Globo

Brasil sobe no ranking e se torna 9º maior produtor de petróleo no mundo

Falta de investimentos, porém, deve aumentar dependência da importação de derivados

Por Ramona Ordoñez, Jornal O Globo

RIO- O Brasil subiu mais um degrau no ranking dos dez países maiores produtores de petróleo do mundo. O país está em 9º lugar com uma produção média de 3,2 milhões de barris de petróleo (óleo e gás) por dia, representando 3% da produção total mundial. O ranking é da a Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês), com base nas dados de 2017. O Brasil passou o Kuwait, país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que teve produção de 3,1 milhão de barris.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.

Mas, de acordo com José Mauro, a falta de investimentos na expansão do refino no país poderá fazer com que o Brasil em 2026 esteja entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Isto porque, sem ampliação da capacidade de refino no país para atender ao aumento do consumo de combustíveis, ao mesmo tempo que sobrará petróleo cru para exportar, o país terá que importar maior volume de derivados.

- Devido aos baixos investimentos em refino no período, poderemos em 2026 estar exportando algo em torno de 3 milhões de barris/dia. Estaremos entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Possivelmente atrás somente de Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Canadá - destacou.

Sem novos investimentos para o aumento da capacidade de refino no país, da qual 98% são controlados pela Petrobras, em 2026 o Brasil será um forte importador de derivados, o que não é bom termos estratégicos. E os derivados no mercado internacional têm um preço superior ao da cotação do petróleo cru. As projeções da EPE indicam que, em 2026, com o aumento da demanda de combustíveis, o Brasil deverá ter de importar em torno de 800 mil barris diários de combustíveis.

- Nossas projeções mostram que, se não investirmos em refino, poderemos em 2026 estar importando cerca de 800 mil barris por dia de derivados, em especial óleo diesel, e também outros derivados como o GLP, nafta, gasolina e QAV (de aviação) - disse José Mauro.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.


Clique aqui para acessar a matéria na íntegra e veja abaixo a versão impressa publicada hoje no Jornal O Globo.

WhatsApp Image 2018-06-19 at 09.10.40.jpeg 


Notícias Relacionadas

EPE REALIZA I “WORKSHOP” DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA DO CICLO 2020

02/06/2020 - A primeira edição de 2020 do Workshop do Mercado de Energia Elétrica no âmbito da COPAM (Comissão Permanente de Análise e Acompanhamento do Mercado de Energia Elétrica) ocorreu no dia 21 de maio por videoconferência.

EPE projeta impactos da Covid-19 no mercado brasileiro de combustíveis

02/06/2020 - Os desdobramentos das medidas adotadas com o objetivo de conter a disseminação da pandemia da Covid-19 provocaram um grande impacto na demanda de combustíveis. Para analisar suas consequências no comportamento do mercado brasileiro, a EPE projetou três trajetórias, de 2020 até 2022, que contemplam hábitos de consumo da população e períodos de isolamento social.

Resenha de Maio reflete impactos da pandemia da COVID-19

29/05/2020 - O consumo de energia elétrica na rede em abril apresentou retração de 6,6% em relação a igual período do ano anterior, refletindo os impactos da pandemia da COVID-19 nas classes de consumo, principalmente, nas classes comercial (-17,9%) e industrial (-12,4%).

EPE publica Instruções para Apresentação de Planejamento dos Sistemas Isolados

28/05/2020 - EPE publica a atualização das "Instruções para Apresentação de Proposta de Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados". Nesse ciclo de 2020, assim como já realizado no ciclo anterior, as propostas deverão ser submetidas à EPE exclusivamente por meio do Sistema de Acompanhamento dos Sistemas Isolados – SASI, plataforma desenvolvida com o objetivo de automatizar e agilizar os processos de coleta e de análise dos dados de planejamento das distribuidoras.

Heloísa Borges Esteves é eleita Diretora de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE

25/05/2020 - A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), anuncia a nomeação e posse de Heloísa Borges Esteves como Diretora de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis. Para assumir a nova função da EPE, ela deixa o posto que ocupava à frente da Superintendência de Promoção de Licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP).