Com apoio da EPE e do MME, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoveu uma palestra sobre Instrumentos de mercado para eficiência energética

No âmbito da parceria entre a EPE e a Agência Internacional de Energia (IEA), ocorreu no dia 21 de agosto o Seminário sobre Market Based Instruments proferido pela especialista em Eficiência Energética da Agência, Edith Bayer. A apresentação fez parte de um ciclo de webinars e palestras sobre Eficiência Energética que, desta vez, a EPE teve a honra de receber presencialmente.  Além da equipe envolvida com o tema na EPE, o evento contou com a participação de representantes do BNDES, Petrobras, PROCEL e outras empresas parceiras. 

O seminário foi dividido em 3 partes principais: uma breve introdução sobre a eficiência energética; conceito, design e experiências de Instrumentos de mercado (Market Based Instruments) e, por fim, políticas complementares. Diante das perspectivas de expansão da demanda de energia elétrica, a eficiência energética assume papel extremamente relevante como um recurso energético de baixo custo e capaz de promover diversos benefícios para o sistema: segurança energética, diminuição dos custos da energia, abatimento de emissões, bem-estar e acesso a serviços energéticos pelas famílias de baixa renda. Neste sentido, deve ser considerada como um recurso dentro de uma estratégia custo-efetiva para manter a confiabilidade do sistema elétrico, conforme apontou a primeira parte da apresentação. 

O conceito de Market Based Instruments (MBIs) refere-se a uma estrutura de políticas que especificam o resultado a ser entregue (por exemplo, energia economizada, etc.) pelos atores do mercado, sem prescrever os mecanismos de entrega e as medidas que serão utilizadas. Ou seja, os atores têm flexibilidade para escolher as medidas mais custo-efetivas para atingir os resultados. Na segunda parte da apresentação, a palestrante mostrou que os MBIs voltados para Eficiência Energética vêm crescendo rapidamente no mundo, com destaque para as Obrigações Legais, com maior abrangência, e os Leilões.  No caso de mercados elétricos e no âmbito da regulação, o Planejamento Integrado de Recursos Energéticos (Integrated Resources Planing) também foi apontado como MBI para Eficiência Energética, sobretudo em se tratando de sistemas mais verticalizados. Já em mercados mais liberalizados e mais maduros a eficiência energética mostra competitividade como fonte de energia nos mercados de capacidade (como PJM e ISO-NE), gerando benefícios para todo o sistema. A incorporação da eficiência energética e da geração distribuída também exige mudanças na regulação da Transmissão e da Distribuição no que se refere aos requisitos de expansão dos sistemas. 

A última parte da apresentação foi dedicada a integração e sinergias com outros mecanismos (não diretamente relacionados ao mercado de energia), como dos sistemas de comércios de emissões. É o caso do Regional Greenhouse Gas Iniciative, no qual 64% dos recursos adquiridos através do comércio de emissões foi direcionado para a eficiência energética, em 2015, e também o caso dos recursos advindos dos leilões de carbono na União Europeia, em sua maior parte direcionados para energia renovável e eficiência energética, entre 2013 e 2015. Por fim, a especialista destacou a importância de políticas complementares aos MBIs, como o desenho adequado de tarifas, políticas focadas na superação de barreiras à eficiência energética (como de financiamento “verde”, de padrões de contrato, de investimentos upfront, etc...) e de desenvolvimento do mercado de ESCOs. 

Após este breve panorama sobre Market Based Instruments para Eficiência Energética, os participantes fizeram algumas perguntas e o evento foi encerrado, ficando o interesse e a curiosidade de sabermos um pouco mais sobre as especificidades da aplicação destes instrumentos nos diferentes países.  

Clique aqui e acesse a apresentação realizada pela especialista em Eficiência Energética da Agência, Edith Bayer

 

 IMG_5699.JPG




Notícias Relacionadas

Webinar: Múltiplos Benefícios da Eficiência Energética

12/09/2018 - Com apoio da EPE e do MME, no próximo dia 19/09/2018, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoverá webinar sobre os múltiplos benefícios da eficiência energética. O foco tradicional para promoção da eficiência energética normalmente acaba por desconsiderar benefícios tais como contribuição à sustentabilidade do setor energético, desenvolvimento social e econômico e benefícios ambientais, entre outros.

MME reabre prazo de cadastramento dos projetos para os Leilões de Energia Existente A-1 e A-2

11/09/2018 - Publicada pelo MME a Portaria n° 383/2018 que reabriu o prazo de cadastramento dos projetos interessados em participar dos Leilões de Energia Existente A-1 e A-2. Os empreendedores poderão cadastrar os projetos no Sistema AEGE e entregar os documentos necessários à Qualificação Técnica na EPE até às 12 horas do dia 14 de setembro de 2018.

INFORME Mercado Internacional de GNL 2017-2018

03/09/2018 - O mercado de GNL tem se mostrado cada vez mais dinâmico, com maior liquidez e tendendo à comoditização. Assim como no ano anterior, em 2017, expectativas de uma oferta excedente do combustível no mundo acabaram por não se concretizar, sendo compensada pelo concomitante aumento na demanda de GNL da China. A capacidade de se adequar às condições adversas de mercado vem demonstrando a maturidade cada vez maior da indústria de GNL.

Resenha Mensal: Consumo de eletricidade subiu 1,4% em julho

31/08/2018 - O consumo de eletricida-de na rede totalizou 37.894 GWh em julho, volume 1,4% maior que o registrado nesse mês em 2017. Houve aumento no Su-deste (+2,0%) e Sul (+2,4%), regiões que concentram por volta de 70% do mercado de ele-tricidade no país, e tam-bém no Centro Oeste (+3,2%) e Nordeste (+2,2%), enquanto caiu o consumo no Norte (-7,6%).

EPE participa da 7ª Conferência de Energia e Recursos Naturais da América Latina

31/08/2018 - A transformação do setor de Energia e Recursos Naturais, que vem acelerando, de forma constante, a tecnologia que tem transformado os negócios, a massificação da busca por energia renovável pelas grandes empresas do setor e os direcionamentos governamentais mostram que os altos executivos do setor precisam encontrar maneiras cada vez mais assertivas de como inovar dentro do mercado para permanecer sustentável no curto e no longo prazo. Neste momento os tomadores de decisão precisam compartilhar ideias e obter insights de executivos de todo o mundo de forma a mergulhar nos principais desafios atuais.