Com apoio da EPE e do MME, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoveu uma palestra sobre Instrumentos de mercado para eficiência energética

No âmbito da parceria entre a EPE e a Agência Internacional de Energia (IEA), ocorreu no dia 21 de agosto o Seminário sobre Market Based Instruments proferido pela especialista em Eficiência Energética da Agência, Edith Bayer. A apresentação fez parte de um ciclo de webinars e palestras sobre Eficiência Energética que, desta vez, a EPE teve a honra de receber presencialmente.  Além da equipe envolvida com o tema na EPE, o evento contou com a participação de representantes do BNDES, Petrobras, PROCEL e outras empresas parceiras. 

O seminário foi dividido em 3 partes principais: uma breve introdução sobre a eficiência energética; conceito, design e experiências de Instrumentos de mercado (Market Based Instruments) e, por fim, políticas complementares. Diante das perspectivas de expansão da demanda de energia elétrica, a eficiência energética assume papel extremamente relevante como um recurso energético de baixo custo e capaz de promover diversos benefícios para o sistema: segurança energética, diminuição dos custos da energia, abatimento de emissões, bem-estar e acesso a serviços energéticos pelas famílias de baixa renda. Neste sentido, deve ser considerada como um recurso dentro de uma estratégia custo-efetiva para manter a confiabilidade do sistema elétrico, conforme apontou a primeira parte da apresentação. 

O conceito de Market Based Instruments (MBIs) refere-se a uma estrutura de políticas que especificam o resultado a ser entregue (por exemplo, energia economizada, etc.) pelos atores do mercado, sem prescrever os mecanismos de entrega e as medidas que serão utilizadas. Ou seja, os atores têm flexibilidade para escolher as medidas mais custo-efetivas para atingir os resultados. Na segunda parte da apresentação, a palestrante mostrou que os MBIs voltados para Eficiência Energética vêm crescendo rapidamente no mundo, com destaque para as Obrigações Legais, com maior abrangência, e os Leilões.  No caso de mercados elétricos e no âmbito da regulação, o Planejamento Integrado de Recursos Energéticos (Integrated Resources Planing) também foi apontado como MBI para Eficiência Energética, sobretudo em se tratando de sistemas mais verticalizados. Já em mercados mais liberalizados e mais maduros a eficiência energética mostra competitividade como fonte de energia nos mercados de capacidade (como PJM e ISO-NE), gerando benefícios para todo o sistema. A incorporação da eficiência energética e da geração distribuída também exige mudanças na regulação da Transmissão e da Distribuição no que se refere aos requisitos de expansão dos sistemas. 

A última parte da apresentação foi dedicada a integração e sinergias com outros mecanismos (não diretamente relacionados ao mercado de energia), como dos sistemas de comércios de emissões. É o caso do Regional Greenhouse Gas Iniciative, no qual 64% dos recursos adquiridos através do comércio de emissões foi direcionado para a eficiência energética, em 2015, e também o caso dos recursos advindos dos leilões de carbono na União Europeia, em sua maior parte direcionados para energia renovável e eficiência energética, entre 2013 e 2015. Por fim, a especialista destacou a importância de políticas complementares aos MBIs, como o desenho adequado de tarifas, políticas focadas na superação de barreiras à eficiência energética (como de financiamento “verde”, de padrões de contrato, de investimentos upfront, etc...) e de desenvolvimento do mercado de ESCOs. 

Após este breve panorama sobre Market Based Instruments para Eficiência Energética, os participantes fizeram algumas perguntas e o evento foi encerrado, ficando o interesse e a curiosidade de sabermos um pouco mais sobre as especificidades da aplicação destes instrumentos nos diferentes países.  

Clique aqui e acesse a apresentação realizada pela especialista em Eficiência Energética da Agência, Edith Bayer

 

 IMG_5699.JPG




Notícias Relacionadas

EPE tem diversos artigos publicados no Anuário Cenários Eólica

15/01/2019 - A Brasil Energia lança a nova edição do anuário sobre o setor de energia eólica no país. Nele, além da qualidade editorial da equipe de jornalistas especializados da Brasil Energia, você terá acesso as contribuições exclusivas de importantes nomes do mercado de energia eólica, em especial, destacamos os colunistas da EPE:

Previsão de Carga para o Planejamento Anual da Operação Energética Ciclo 2019 (2019-2023)

11/01/2019 - O documento tem por objetivo apresentar o detalhamento das premissas e dos resultados da Previsão de carga para o Planejamento Anual da Operação Energética 2019-2023, elaborados em conjunto por Empresa de Pesquisa Energética – EPE, Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, antecipados no correspondente Boletim Técnico, divulgado no final do mês de novembro de 2019. Essas previsões de carga passaram a ser utilizadas a partir do Programa Mensal da Operação (PMO) de janeiro/2019.

Pela primeira vez, a EPE publica o Relatório de Planejamento para Atendimento aos Sistemas Isolados, Horizonte 2023 – Ciclo 2018

08/01/2019 - A Portaria MME nº 67/2018 publicada em março de 2018, solicita que os Agentes de Distribuição dos Sistemas Isolados elaborem proposta de planejamento para atendimento aos seus mercados consumidores situados em Sistemas Isolados, e as encaminhe para avaliação técnica da EPE e posterior aprovação do planejamento pelo Ministério de Minas e Energia (MME),

EPE realiza Lançamento de Notas Técnicas sobre Gás Natural

07/01/2019 - Ocorreu, no dia 18 de dezembro de 2018, no auditório da EPE, o evento “Lançamento de Notas Técnicas sobre Gás Natural”. Neste evento, organizado pela Diretoria de Estudos do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis da EPE, foram abordadas as perspectivas para a indústria de gás natural no Brasil nos próximos anos, tendo como pano de fundo três estudos publicados pela EPE no final de 2018.

EPE publica 5º Boletim de Conjuntura da Indústria do Petróleo

02/01/2019 - O quinto número do Boletim de Conjuntura da indústria do Petróleo apresenta o panorama da Venezuela. Detentor da maior reserva global de petróleo, este país enfrentou uma expressiva queda da produção devido às dificuldades enfrentadas pela indústria. A instabilidade político-econômica e restrições de acesso ao crédito em decorrência das sanções financeiras são alguns dos desafios que a Venezuela necessita solucionar para recuperar sua indústria petrolífera.