Com apoio da EPE e do MME, a Agência Internacional de Energia (AIE) promoveu uma palestra sobre Instrumentos de mercado para eficiência energética

No âmbito da parceria entre a EPE e a Agência Internacional de Energia (IEA), ocorreu no dia 21 de agosto o Seminário sobre Market Based Instruments proferido pela especialista em Eficiência Energética da Agência, Edith Bayer. A apresentação fez parte de um ciclo de webinars e palestras sobre Eficiência Energética que, desta vez, a EPE teve a honra de receber presencialmente.  Além da equipe envolvida com o tema na EPE, o evento contou com a participação de representantes do BNDES, Petrobras, PROCEL e outras empresas parceiras. 

O seminário foi dividido em 3 partes principais: uma breve introdução sobre a eficiência energética; conceito, design e experiências de Instrumentos de mercado (Market Based Instruments) e, por fim, políticas complementares. Diante das perspectivas de expansão da demanda de energia elétrica, a eficiência energética assume papel extremamente relevante como um recurso energético de baixo custo e capaz de promover diversos benefícios para o sistema: segurança energética, diminuição dos custos da energia, abatimento de emissões, bem-estar e acesso a serviços energéticos pelas famílias de baixa renda. Neste sentido, deve ser considerada como um recurso dentro de uma estratégia custo-efetiva para manter a confiabilidade do sistema elétrico, conforme apontou a primeira parte da apresentação. 

O conceito de Market Based Instruments (MBIs) refere-se a uma estrutura de políticas que especificam o resultado a ser entregue (por exemplo, energia economizada, etc.) pelos atores do mercado, sem prescrever os mecanismos de entrega e as medidas que serão utilizadas. Ou seja, os atores têm flexibilidade para escolher as medidas mais custo-efetivas para atingir os resultados. Na segunda parte da apresentação, a palestrante mostrou que os MBIs voltados para Eficiência Energética vêm crescendo rapidamente no mundo, com destaque para as Obrigações Legais, com maior abrangência, e os Leilões.  No caso de mercados elétricos e no âmbito da regulação, o Planejamento Integrado de Recursos Energéticos (Integrated Resources Planing) também foi apontado como MBI para Eficiência Energética, sobretudo em se tratando de sistemas mais verticalizados. Já em mercados mais liberalizados e mais maduros a eficiência energética mostra competitividade como fonte de energia nos mercados de capacidade (como PJM e ISO-NE), gerando benefícios para todo o sistema. A incorporação da eficiência energética e da geração distribuída também exige mudanças na regulação da Transmissão e da Distribuição no que se refere aos requisitos de expansão dos sistemas. 

A última parte da apresentação foi dedicada a integração e sinergias com outros mecanismos (não diretamente relacionados ao mercado de energia), como dos sistemas de comércios de emissões. É o caso do Regional Greenhouse Gas Iniciative, no qual 64% dos recursos adquiridos através do comércio de emissões foi direcionado para a eficiência energética, em 2015, e também o caso dos recursos advindos dos leilões de carbono na União Europeia, em sua maior parte direcionados para energia renovável e eficiência energética, entre 2013 e 2015. Por fim, a especialista destacou a importância de políticas complementares aos MBIs, como o desenho adequado de tarifas, políticas focadas na superação de barreiras à eficiência energética (como de financiamento “verde”, de padrões de contrato, de investimentos upfront, etc...) e de desenvolvimento do mercado de ESCOs. 

Após este breve panorama sobre Market Based Instruments para Eficiência Energética, os participantes fizeram algumas perguntas e o evento foi encerrado, ficando o interesse e a curiosidade de sabermos um pouco mais sobre as especificidades da aplicação destes instrumentos nos diferentes países.  

Clique aqui e acesse a apresentação realizada pela especialista em Eficiência Energética da Agência, Edith Bayer

 

 IMG_5699.JPG




Notícias Relacionadas

EPE cadastra 1.829 empreendimentos para o Leilão A-6 de 2019 e bate recorde de oferta com mais de 100 GW

11/06/2019 - Foi concluído nesta terça-feira, 11/06/2019, às 12h00, o cadastramento dos projetos para participação no Leilão de Energia Nova “A-6” de 2019. Anunciado pelo Ministério de Minas e Energia por meio da Portaria nº 222, de 06 de maio de 2019, o Leilão está previsto para ser realizado em 17 de outubro, com participação das fontes eólica, solar fotovoltaica, termelétrica a biomassa, carvão mineral nacional e gás natural e hidrelétrica com capacidade instalada de 1 a 50 MW.

EPE promove Workshop de Planejamento do atendimento aos Sistemas Isolados - ciclo 2019

10/06/2019 - A EPE promoveu no dia 7 de junho o Workshop de Planejamento de Atendimento aos Sistemas Isolados dando início ao ciclo de 2019. Além da EPE, o evento contou com a participação do MME, ONS, CCEE e dos Agentes de Distribuição, que são os responsáveis pelo envio do planejamento do atendimento ao seu mercado consumidor.

EPE participa da 7ª edição do UK & Brazil: Partners in Energy

07/06/2019 - A 7ª edição do UK & Brazil: Partners in Energy, que aconteceu entre os dias 3 e 5 junho de 2019, no Rio de Janeiro. O evento é uma ação promovida pelo governo britânico no lançamento de nova fase de colaboração com o Brasil na área de energia.

Usinas Híbridas: EPE Publica a Nota Técnica “Usinas Híbridas no Contexto do Planejamento Energético”

07/06/2019 - Dando prosseguimento à discussão sobre usinas híbridas, iniciada pelas Notas Técnicas “Avaliação da geração de usinas híbridas eólico-fotovoltaicas - Proposta metodológica e estudos de Caso”, e “Usinas Híbridas - Uma análise qualitativa de temas regulatórios e comerciais relevantes ao planejamento”, e continuada no Workshop “Usinas Híbridas no SIN”, esta Nota Técnica traz ao debate questões levantadas recentemente, após a publicação dos documentos anteriores, sobre as chamadas usinas híbridas.

EPE participa do CWC World Gas Series: Brazil & The Americas Summit

06/06/2019 - A conferência CWC World Gas Series: Brazil & The Americas Summit aconteceu entre os dias 20 e 22 de maio de 2019 no Rio de Janeiro, no Belmond Copacabana Palace. O superintendente de Gás Natural e Biocombustíveis Giovani Machado, o diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Erik Rego, e os analistas Jorge Bezerra (SEG) e Luiz Paulo Barbosa (SGB) representaram a EPE.