ANP divulga resultado de TPC sobre substituição de GNL importado por gás doméstico

ANP está divulgando a consolidação das respostas à Tomada Pública de Contribuições (TPC) 05/2018, realizada em conjunto com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A TPC teve o o objetivo de coletar contribuições para avaliar mecanismos de substituição do gás natural liquefeito (GNL) importado por gás doméstico (de produção nacional) nos contratos de fornecimento de gás, quando projetos de produção estiverem concluídos, tendo em vista que podem contribuir para a redução dos custos de geração de energia elétrica, incluindo benefícios econômicos aos consumidores de energia. A TPC não teve como objetivo qualquer alteração em contratos vigentes. A discussão tratou somente de cláusulas que poderão ser usadas em contratos futuros.

Durante a TPC, realizada de 20/09/2018 e 24/10/2018, foram recebidas oito contribuições da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Associação Brasileira de Geradoras Termelétricas (ABRAGET), Comgás, Eneva, Equinor, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e Petrobras.

A análise das contribuições recebidas mostrou a preocupação com os temas de defesa da livre iniciativa na escolha do fornecedor de gás e do respeito aos contratos. Como uma parcela significativa do consumo de gás natural destina-se às termelétricas, os mecanismos para substituição de GNL envolvem discussões sobre a integração entre os setores de gás natural e elétrico. As contribuições recebidas reforçam que, dada a complexidade do tema, faz-se necessária uma discussão abrangente envolvendo os seguintes tópicos:

- Boas práticas internacionais com relação a este procedimento, considerando a situação específica do Brasil;

- Aspectos relativos às regras do setor elétrico, especialmente no que tange às cláusulas econômicas associadas aos custos de combustível, ao longo do contrato de energia elétrica;

- Participação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e dos principais agentes envolvidos (supridores de gás, associações de usinas termelétricas, dentre outros) devido às características e implicações do tema, seria importante a em discussões futuras.

Consulte aqui a consolidação das contribuições recebidas durante a TPC 05/2018.

Fonte: ANP

Publicado: Terça, 15 de Janeiro de 2019, 16h42

Atualizado: Terça, 15 de Janeiro de 2019, 16h44


Notícias Relacionadas

Revisão Extraordinária de Garantia Física das UHEs Corumbá IV, Jupiá e São Manoel

11/12/2019 - Em cumprimento ao artigo 9º da Portaria MME nº 406/2017, a EPE divulga as Configurações de Referência Atual – CRA0 e CRA1, empregadas na definição dos montantes de Garantia Física de Energia publicados na Portaria MME nº 352/2019, referentes às usinas hidrelétricas Corumbá IV, Jupiá e São Manoel.

EPE publica Nota técnica de Projeções de Preço do Petróleo

10/12/2019 - O potencial da província petrolífera do Pré-sal confere ao Brasil um protagonismo mundial na exploração e produção de petróleo e gás natural em ambiente offshore. Com as expectativas de crescimento da produção nacional de hidrocarbonetos para a próxima década, há oportunidade para o Brasil se posicionar entre os cinco maiores produtores e exportadores de petróleo do mundo.

EPE lança o Fact Sheet “A Química do C1"

09/12/2019 - A EPE lança o Fact Sheet “A QUÍMICA DO C1” que compila os dois temas abordados nos Informes Técnicos da série "Competitividade do Gás Natural”: estudo de caso na indústria de fertilizantes nitrogenados e de metanol.

Iniciamos a Transmissão ao Vivo do Seminário EPE: Petróleo, Gás e Biocombustíveis – Cenário Decenal

05/12/2019 - Já iniciamos a transmissão ao vivo do Seminário EPE: Petróleo, Gás e Biocombustíveis – Cenário Decenal, participe conosco!

EPE apresenta Seminário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis

05/12/2019 - Aconteceu nesta quinta-feira, 5, o seminário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis na sede da EPE, no Rio de Janeiro. O objetivo foi apresentar o cenário decenal do setor. A mesa de abertura foi composta com o presidente da EPE, Thiago Barral, com o diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, José Mauro Coelho, com o secretário-executivo adjunto do MME, Bruno Eustáquio, e com o diretor-presidente da Pré-Sal Petróleo S.A., Eduardo Gerk.