Veículos elétricos ocuparão nichos de mercado, diz diretor da EPE

Veículos elétricos ocuparão nichos de mercado, diz diretor da EPE
Frotas de ônibus, táxis e carros compartilhados deverão guiar demanda. Número de licenciamentos ainda é baixo

PEDRO AURÉLIO TEIXEIRA, DA AGÊNCIA CANALENERGIA, DO RIO DE JANEIRO

Os veículos elétricos no Brasil deverão ficar concentrados em nichos de mercado, como frotas de ônibus, táxis e car sharing, os carros de compartilhamento. De acordo com o diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisa Energética, José Mauro Coelho, o país absorveria melhor os veículos híbridos do tipo flex. "Faz mais sentido que a utilização de veículos elétricos em larga escala", afirma Coelho, que participou na última quinta-feira, 1º de fevereiro, do seminário 'RenovaBio – Próximos passos', realizado pela FGV Energia, no Rio de Janeiro (RJ). A nova política do governo federal para os biocombustíveis, o RenovaBio, não atrapalharia o desenvolvimento dos carros elétricos no país.

Ainda segundo Coelho, a entrada de veículos híbridos e elétricos o Brasil ainda é pequeno. Segundo ele, em 2016, de 2 milhões de licenciamentos para carros, apenas 1.091 eram de carros híbridos ou elétricos. Já em 2017, mesmo com o aumento para 2,2 milhões de licenciamentos, os licenciamentos foram para 3.500, ainda um número baixo. "O licenciamento ainda é baixo", observa. O diretor explica que no Brasil a infraestrutura para carros elétricos ainda enfrenta entraves, como uma rede de eletropostos com capilaridade para abastecimento.

Por conta de ter que calcular a projeção da demanda de veículos, a EPE acompanha a Rota 2030, política do Governo Federal para o setor automotivo. Coelho também frisa que muitos países que vem abraçando com intensidade os carros elétricos o fazem por ser uma solução na necessidade de redução de emissões. No caso do Brasil essa realidade é diferente. "Os veículos vão entrar em nichos de mercado e os biocombustíveis vão ter o espaço reservado a eles, mais ainda agora com o RenovaBio", conclui. 

Fonte: CanalEnergia (https://www.canalenergia.com.br/noticias/53050849/veiculos-eletricos-ocuparao-nichos-de-mercado-diz-diretor-da-epe)


Notícias Relacionadas

Diretor da EPE, José Mauro Coelho, fez visita técnica às instalações da Empresa Hytron

16/07/2018 - Esta visita faz parte do Projeto “Combustíveis Alternativos sem Impactos Climáticos” (ProQR), do qual a EPE faz parte do Comitê Consultivo como uma das representantes do governo brasileiro.

EPE participa da 6ª audiência pública com a Comissão de Mudanças Climáticas no Senado

12/07/2018 - Diretor de Petróleo Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Coelho, debate sobre o programa RenovaBio com a comissão de Mudanças Climáticas. A Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) promoveu uma audiência pública interativa sobre o RenovaBio.

Cerimonial de Lançamento Cenários de Oferta de Etanol e Demanda de Ciclo Otto 2018- 2030

12/07/2018 - Ocorreu na manhã do dia 12/07/2018, no auditório da EPE, o cerimonial de lançamento Cenário de Oferta de Etanol e Demanda de Ciclo Otto que contou com a participação e abertura do presidente Reive Barros, do Diretor da DPG, José Mauro Coelho, do Dr. Dirceu Cardoso Amorelli Junior, Diretor da Diretoria 3 da Agencia Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

EPE participa da missão técnica de biocombustíveis e biogás promovida no Reino Unido

10/07/2018 - A EPE tem participado de eventos nacionais e internacionais que dizem respeito às atividades que desenvolve na área de Biocombustíveis, atuando em diversos fóruns que correspondam em interesse e importância para a sua atividade.

EPE publica o 4º número do Boletim de Conjuntura da Indústria do Petróleo

29/06/2018 - O quarto número do Boletim de Conjuntura da indústria do Petróleo apresenta o panorama da Rússia. Atualmente, maior exportador mundial de petróleo e de gás natural, e detentor da maior reserva global de gás natural e da sexta maior de petróleo. Este país possui economia fortemente influenciada por essa indústria, apresentando crescente protagonismo na geopolítica da energia e aumento da interação com países da América Latina, Ásia, Norte da África e Oriente Médio.