Veículos elétricos ocuparão nichos de mercado, diz diretor da EPE

Veículos elétricos ocuparão nichos de mercado, diz diretor da EPE
Frotas de ônibus, táxis e carros compartilhados deverão guiar demanda. Número de licenciamentos ainda é baixo

PEDRO AURÉLIO TEIXEIRA, DA AGÊNCIA CANALENERGIA, DO RIO DE JANEIRO

Os veículos elétricos no Brasil deverão ficar concentrados em nichos de mercado, como frotas de ônibus, táxis e car sharing, os carros de compartilhamento. De acordo com o diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisa Energética, José Mauro Coelho, o país absorveria melhor os veículos híbridos do tipo flex. "Faz mais sentido que a utilização de veículos elétricos em larga escala", afirma Coelho, que participou na última quinta-feira, 1º de fevereiro, do seminário 'RenovaBio – Próximos passos', realizado pela FGV Energia, no Rio de Janeiro (RJ). A nova política do governo federal para os biocombustíveis, o RenovaBio, não atrapalharia o desenvolvimento dos carros elétricos no país.

Ainda segundo Coelho, a entrada de veículos híbridos e elétricos o Brasil ainda é pequeno. Segundo ele, em 2016, de 2 milhões de licenciamentos para carros, apenas 1.091 eram de carros híbridos ou elétricos. Já em 2017, mesmo com o aumento para 2,2 milhões de licenciamentos, os licenciamentos foram para 3.500, ainda um número baixo. "O licenciamento ainda é baixo", observa. O diretor explica que no Brasil a infraestrutura para carros elétricos ainda enfrenta entraves, como uma rede de eletropostos com capilaridade para abastecimento.

Por conta de ter que calcular a projeção da demanda de veículos, a EPE acompanha a Rota 2030, política do Governo Federal para o setor automotivo. Coelho também frisa que muitos países que vem abraçando com intensidade os carros elétricos o fazem por ser uma solução na necessidade de redução de emissões. No caso do Brasil essa realidade é diferente. "Os veículos vão entrar em nichos de mercado e os biocombustíveis vão ter o espaço reservado a eles, mais ainda agora com o RenovaBio", conclui. 

Fonte: CanalEnergia (https://www.canalenergia.com.br/noticias/53050849/veiculos-eletricos-ocuparao-nichos-de-mercado-diz-diretor-da-epe)


Notícias Relacionadas

EPE participou do 'Seminário Internacional – Mobilidade a Gás Natural: A Solução para o Brasil'

23/11/2018 - A Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) realizou na quinta e sexta-feira (dias 22 e 23 de novembro), no Rio de Janeiro, a primeira edição do 'Seminário Internacional – Mobilidade a Gás Natural: A Solução para o Brasil'. A iniciativa conta com patrocínio master da Fundação Gas Natural Fenosa.

EPE publica estudo sobre Estocagem Subterranea de Gas Natural

13/11/2018 - A história e o desenvolvimento da estocagem subterrânea de gás natural (ESGN) é indissociável da do gás natural. Por se tratar de uma indústria de rede, a indústria de gás natural requereu desde o seu início tecnologias para lidar com o descasamento temporal e espacial da oferta e da demanda.

EPE lança Relatório Especial em Inglês sobre a Conjuntura da Indústria Petrolífera Brasileira

05/11/2018 - Declínio, reforma, recuperação e novo ímpeto do setor energético brasileiro RIO DE JANEIRO – O colapso dos preços de petróleo no fim de 2014 e sua lenta recuperação até meados de 2017, combinada com a grave crise macroeconômica e instabilidade que atingiu o Brasil, causaram estragos no setor petrolífero brasileiro.

Demanda de Energia dos Veiculos Leves

25/10/2018 - O informe sobre Demanda de Energia dos Veículos Leves, elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética, visa apresentar cenários de demandas de ciclo Otto até o horizonte de 2030, de forma a contribuir para a identificação de oportunidades e ameaças sobre o abastecimento nacional de combustíveis.

INFORME Mercado Internacional de GNL 2017-2018

03/09/2018 - O mercado de GNL tem se mostrado cada vez mais dinâmico, com maior liquidez e tendendo à comoditização. Assim como no ano anterior, em 2017, expectativas de uma oferta excedente do combustível no mundo acabaram por não se concretizar, sendo compensada pelo concomitante aumento na demanda de GNL da China. A capacidade de se adequar às condições adversas de mercado vem demonstrando a maturidade cada vez maior da indústria de GNL.