Escolhas e EPE reúnem representantes do setor elétrico para discutir estudo sobre fontes de geração no país

6/04/2018 -  por Maura Campanili, Asessora de Comunicação do Instituto Escolhas

O Instituto Escolhas e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) realizaram terça-feira (3/4), na sede da EPE, no Rio de Janeiro, o segundo workshop Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil, no qual foram apresentados os resultados parciais do estudo de mesmo nome que está sendo desenvolvido pelo instituto, em parceria com a EPE e apoio do Instituto Clima e Sociedade (iCS). “O evento teve o objetivo de mostrar, para representantes do setor e interessados, como o estudo está sendo realizado e os dados parciais disponíveis, para tirar dúvidas e colher sugestões que possam ajudar a aperfeiçoar o trabalho ainda na fase de produção”, disse Sergio Leitão, diretor-executivo do Escolhas. “Essa é uma prática que vem sendo adotada pelo instituto em todos os seus estudos, com ótimos resultados”, completou.

O estudo, que deverá ser lançado no segundo semestre, fará uma projeção dos reais custos e benefícios das principais fontes de energia usadas no país (eólica, biomassa, solar, usinas hidrelétricas, pequenas centrais hidrelétricas e termelétricas), tendo como referência o Plano Decenal de Expansão de Energia da EPE para 2026, documento que traz uma indicação das perspectivas da expansão futura do setor de energia sob a ótica do governo federal. Além disso, trará um cenário dos custos da expansão necessária para 2035. Segundo Bernardo Bezerra, da PSR – Energy Consulting and Analytics, consultoria que está desenvolvendo a pesquisa, o resultado permitirá à sociedade brasileira saber quanto vale e quais são os benefícios de cada uma das fontes de energia, considerando custos e benefícios para a operação do sistema elétrico e um cenário de maior inserção de fontes renováveis. “O estudo poderá ajudar na tomada de decisão sobre em quais fontes investir, levando em consideração o custo/benefício para o país”, explicou.

Para Luiz Barroso, presidente da EPE, o estudo terá grande impacto no setor. “Há pesquisas importantes que a EPE não tem as ferramentas para fazer, mas percebemos que existem organizações com os mesmos interesses e que podem colaborar, como o Escolhas, cujo lema é ajudar a sociedade a tomar decisões eficientes a partir de números. Esse trabalho se somará a outros que estamos fazendo, que apoiarão as deliberações brasileiras de investimento no setor elétrico”, disse. Roberto Kishinami, coordenador do Porftólio Energia Elétrica do iCS, avaliou que o setor, no país, está alinhado com as necessidades do mundo moderno e com o que a sociedade precisa, e que esse trabalho poderá colaborar no incentivo ao uso das fontes sustentáveis com base em informações concretas.

Luiz Eduardo Barata Ferreira, diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), um dos presentes ao workshop, ressaltou que a operação e o planejamento do setor elétrico estão trabalhando de forma integrada e que o estudo que está sendo desenvolvido é uma ferramenta importante. “Escolher entre dar segurança energética ou privilegiar os custos sempre foi uma decisão difícil. A questão é que precisamos dos dois, olhando para todas as fontes, vendo os benefícios de cada uma, com melhor resultado para o país”, disse.

O estudo "Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil", deverá se somar aos demais estudos do Escolhas voltados para a área – Impactos de Mudanças na Matriz Elétrica Brasileira e Qual o impacto de zerar as emissões do setor elétrico no Brasil? -, com o objetivo de oferecer subsídios que colaborem para o país chegar a um futuro energético confiável e sustentável dentro de uma economia de baixo carbono.

O primeiro estudo, de 2016, faz uma análise dos impactos econômicos, ambientais e sociais que resultariam de diferentes propostas de cenários de energia idealizados para o Brasil. O segundo, de 2017, mostrou qual seria o impacto, também sob o tripé econômico, ambiental e social, do Brasil zerar suas emissões de gases de efeito estufa no setor elétrico. No novo estudo, a análise se aprofunda para os custos e benefícios da escolha de cada uma das fontes.

Antes do lançamento do trabalho, ainda haverá, entre o final de junho e início de julho, mais uma rodada de apresentação de resultados parciais.

Confira os vídeos de Luiz Barroso (EPE), Roberto Kishinami (iCS), e Bernardo Bezerra (PSR) e a galeria de fotos do evento.


instituto-escolhas-II-worshop-03-04-baixa-35.jpg

Luiz Augusto Barroso, presidente da EPE

instituto-escolhas-II-worshop-03-04-baixa-41-300x200.jpg

Sergio Leitão, diretor executivo do Instituto Escolhas


Fonte: Instituto Escolhas



Notícias Relacionadas

Uso de Ar Condicionado no Setor Residencial Brasileiro: Perspectivas e contribuições para o avanço em eficiência energética

14/12/2018 - A energia utilizada para o conforto térmico é o uso final em edifícios que mais cresce no mundo. No Brasil, apenas no setor residencial, estima-se que a posse de ar-condicionado pelas famílias tenha mais que duplicado entre 2005 e 2017. Apesar do grande impulso das vendas na última década, a penetração desse tipo de aparelho ainda é relativamente baixa nas residências brasileiras, sugerindo a existência de uma demanda potencial por condicionamento de ar que deverá ser atendida no futuro.

Aprovação da Política de Integridade da EPE

12/12/2018 - O Conselho de Administração da EPE aprovou no dia 30 de outubro de 2018 a Política de Integridade da Empresa, por meio da DCA nº 02/168ª. A Política de Integridade firma a compreensão, conceito e diretrizes do exercício moral e ético de todos na empresa. A Política de Integridade, a partir do compromisso assumido de todos, reforça o modus operandis de uma empresa forte, solidária e dinâmica. Trata-se do propósito de sermos a melhor referência no ato de subsídio ao planejamento energético do país, o que acaba por reforçar o nosso papel estratégico de empresa de Estado.

EPE publica estudos de levantamento de dados de eficiência energética na indústria brasileira

12/12/2018 - No sentido de fortalecer a disponibilidade dados primários para o planejamento de ações de promoção de eficiência energética, a EPE publica os resultados de estudo de levantamento de dados sobre diversos setores industriais. Trata-se de estudo denominado “Análise da Eficiência Energética em Segmentos Industriais Selecionados”, que se insere no âmbito do Projeto META (Projeto de Assistência Técnica dos Setores de Energia e Mineral), com financiamento do Banco Mundial. A execução foi descentralizada do MME para EPE.

EPE e Rosatom promovem reunião sobre reatores nucleares modulares

11/12/2018 - Foi realizada na EPE neste dia 10 de dezembro, das 10:00 às 12:00, reunião técnica “Perspectivas Tecnológicas de SMR (Small Modular Reactor)”. O tema foi a tecnologia dos reatores nucleares modulares, conhecidos também como SMR. A reunião se insere no âmbito dos estudos de planejamento energético de médio e longo prazo, tais como o Plano Nacional de Energia 2050. O presidente da EPE, Reive Barros, abriu e participou da reunião. A reunião teve apoio e participação da empresa russa Rosatom, cujo Presidente para a América Latina, Ivan Dybov, também esteve presente.

A edição de dezembro/2018 da revista EletroEvolução do Cigre Brasil – Comitê Brasileiro de Produção e Transmissão de Energia Elétrica publica artigo da EPE

11/12/2018 - A edição de dezembro/2018 da revista EletroEvolução do Cigre Brasil – Comitê Brasileiro de Produção e Transmissão de Energia Elétrica publica o artigo An 800 kV HVDC Bipole to Reinforce a Regional Interconnection and Integrate a Large Amount of Variable Renewable Generation, apresentado na Bienal do Cigre de Paris este ano, de autoria dos colegas da DEE/STE, Dourival Carvalho, Marcos Bressane, Maxwell Cury, Tiago Rizzotto, Daniel Souza, Rafael Mello e Rodrigo Cabral.